Ir para conteúdo

  • Facebook

  • Este site usa cookies para melhorar a sua experiência como utilizador. Ao utilizar o site está a aceitar o uso de cookies. SABER MAIS ENTENDI

Foto

A ver - Vencedores Lensculture.


  • Por favor inicie sessão para responder
21 respostas a este tópico

IT Partilhar Post #1 FotoKhan

FotoKhan

  • Membro
  • Registo: 30/01/2013
  • Posts: 1500

Publicado 11 Fevereiro 2020 - 16:28

https://www.lenscult..._eid=69867c94c2




Anúncios

Partilhar Post #2 JMeireles

JMeireles

  • Membro
  • Registo: 24/04/2018
  • Posts: 212

Publicado 12 Fevereiro 2020 - 13:49

Interessante. Tenho de ver com mais atenção. Adoro aqueles conjuntos de imagens mundanos, que vivem no nosso consciente mas são de algum modo endeusados.

 

Repararam como na apresentação das imagens não há referencias a marcas e equipamentos? muito bom.




Partilhar Post #3 nbplopes

nbplopes

  • Membro
  • Registo: 12/07/2012
  • Posts: 6310

Publicado 13 Fevereiro 2020 - 08:20

Para quem gosta de fotografia para llá dos flickr's e afins do mundo, o lens culture é para mim da melhor coisinha que á por aí. Tem carne, tem osso.

Outro é o burnmagazine.org.

Abraço.

Editado por nbplopes, 15 Fevereiro 2020 - 12:47 .



Partilhar Post #4 JMeireles

JMeireles

  • Membro
  • Registo: 24/04/2018
  • Posts: 212

Publicado 14 Fevereiro 2020 - 11:09

Para quem gosta de fotografia para dos flickr's e afins do mundo, o lens culture é para mim da melhor coisinha que á por aí. Tem carne, tem osso.

 

Outro é o burnmagazine.org.

 

Abraço.

Não conhecia esse, vou certamente investigar.

Entendo o tom depreciativo que dás aos flickrs da vida mas tenho de contrapor. O problema não é a plataforma, esta ou outras do género, são as pessoas, elas é que optam por seguir esse caminho, e é pena. O caso mais gritante da parolice humana em Portugal é o olhares.

Eu pessoalmente tenho o Flckr e tenho lá alguns álbuns privados para a a família que está longe poder ver. O lado da exposição publica só me interessa no âmbito de haver um comunidade interessada em ver, analisar e discutir fotografia.

Um coisa é certa, para o bem e para o mal, são plataformas livres e sem curadores onde todos tem a oportunidade de expor publicamente as suas imagens e serem publicamente apreciadas, como dizes. LensCulture e este burnmagazine, pelo que me é dado a entender, são curadas, acredito que na busca de um filtro qualitativo ou artístico ou sei lá qual, que necessariamente pode sobrevalorizar um conteúdo e menosprezar ou outro.

Nem tudo o que é diferente é bom e nem tudo o que é mais comercial é mastiga deita fora. Temos de encontrar um equilíbrio.




Partilhar Post #5 nbplopes

nbplopes

  • Membro
  • Registo: 12/07/2012
  • Posts: 6310

Publicado 14 Fevereiro 2020 - 19:15

Não foi no sentido depreciativo.’mas no sentido que há muito mais que a oferta fornecida por essas plataformas.

Sendo que não estarei longe da realidade que são estas plataformas as que mais influenciam a fotografia Amadora, tanto na forma de se criar como de observar fotografia.

O que em certa medida é restritivo. Isto é, a curadoria feita por processos emergentes, mais sociais é tão restritiva como a curadoria feita por nomeação. Porventura até mais, porque a segunda não é movida pela massificação da estética.

Ambas as abordagens sobre a curadoria Acabam por equilibrar. Mas para o efeito o fotógrafo tem que procurar ambas.

Editado por nbplopes, 15 Fevereiro 2020 - 12:43 .



Partilhar Post #6 ruicarv79

ruicarv79

  • Membro
  • Registo: 04/02/2011
  • Posts: 4660
    • Local: Porto

Publicado 14 Fevereiro 2020 - 22:59

Uma fonte de excelente conteúdo fotográfico, como habitualmente.  :th_up:




Partilhar Post #7 JMeireles

JMeireles

  • Membro
  • Registo: 24/04/2018
  • Posts: 212

Publicado 17 Fevereiro 2020 - 11:00

Não foi no sentido depreciativo.’mas no sentido que há muito mais que a oferta fornecida por essas plataformas.

Sendo que não estarei longe da realidade que são estas plataformas as que mais influenciam a fotografia Amadora, tanto na forma de se criar como de observar fotografia.

O que em certa medida é restritivo. Isto é, a curadoria feita por processos emergentes, mais sociais é tão restritiva como a curadoria feita por nomeação. Porventura até mais, porque a segunda não é movida pela massificação da estética.

Ambas as abordagens sobre a curadoria Acabam por equilibrar. Mas para o efeito o fotógrafo tem que procurar ambas.

Entendo o que dizes e concordo, plataformas como a lensculture tendem a ser mais fieis ao clássico, ou melhor, ao entendimento clássico de fotografia e claramente sempre numa versão "alternativa" não comercial.

O que reparo nessa postura é que a posição de outros estilos de fotografia fica sempre fora, como que não tivesse valor, emergente ou não.

Quando se olha para a obra de um Sebastião Salgado, salta-nos logo à mente o excelente trabalho fotográfico que fez com pessoas, eu até o vejo como uma abordagem documental feita por um artista e cheia de conteúdo, ou seja, o autor é culto, informado e não apenas um bom técnico de fotografia.

No entanto, ele tem tambem paisagens belíssimas, verdadeiras obras de arte. Não sei quais das abordagens veio primeiro na sua vida mas se por acaso o emergente Salgado tivesse começado pelas suas paisagens e as sugerido ao lensculture, iria ser barrado e não lhe teriam dado valor.

Não sei se consegui explicar o meu ponto de vista.




Partilhar Post #8 nbplopes

nbplopes

  • Membro
  • Registo: 12/07/2012
  • Posts: 6310

Publicado 17 Fevereiro 2020 - 15:56

@JMeireles,

"emergente Salgado tivesse começado pelas suas paisagens e as sugerido ao lensculture, iria ser barrado e não lhe teriam dado valor."

Não sei que postura estás a falar, da descriminação de géneros em particular fotografia de paisagem? Porque o lenculture por acaso promove também muito fotografia de paisagem. É procurar.

Apenas um exemplo: https://www.lenscult...gabriele-maiero

E até projectos cuja ferramenta é o Photoshop: https://www.lenscult...anck-landscapes

Se me permites, creio haver mais preconceito do teu lado do que do lado dos curadores.

Sim, é diferente disto: https://www.flickr.c...?text=landscape

Mas é isso, é apenas um pouco diferente. Não é melhor nem pior. Mas diria que olharmos para o espectro é porventura muito mais eclética e variada tendo em conta uma amostra que facilmente se obtém.

Não creio que Lensculture e sites afins tenham uma visam mais clássica da fotografia que plataformas mais sociais como Flickr. Antes pelo contrário, têm para mim uma visão muito á frente comparativamente e bastante mais inclusiva na curadoria o que contribui para uma amostra muito mais eclética (oposto de repetitiva) e surpreendente.

Creio que os criadores gravitam entre os dois tipos de plataformas na sua busca constante de novas formas de observar o mundo.

Abraço.

Editado por nbplopes, 18 Fevereiro 2020 - 08:05 .



Partilhar Post #9 Pentaxian

Pentaxian

  • Membro
  • Registo: 15/06/2018
  • Posts: 528
    • Local: Dubrovnik

Publicado 17 Fevereiro 2020 - 22:28

Uma fonte de excelente conteúdo fotográfico, como habitualmente.  :th_up:

Magister dixit!




Partilhar Post #10 JMeireles

JMeireles

  • Membro
  • Registo: 24/04/2018
  • Posts: 212

Publicado 19 Fevereiro 2020 - 10:29

@JMeireles,

"emergente Salgado tivesse começado pelas suas paisagens e as sugerido ao lensculture, iria ser barrado e não lhe teriam dado valor."

Não sei que postura estás a falar, da descriminação de géneros em particular fotografia de paisagem? Porque o lenculture por acaso promove também muito fotografia de paisagem. É procurar.

Apenas um exemplo: https://www.lenscult...gabriele-maiero

E até projectos cuja ferramenta é o Photoshop: https://www.lenscult...anck-landscapes

Se me permites, creio haver mais preconceito do teu lado do que do lado dos curadores.

Sim, é diferente disto: https://www.flickr.c...?text=landscape

Mas é isso, é apenas um pouco diferente. Não é melhor nem pior. Mas diria que olharmos para o espectro é porventura muito mais eclética e variada tendo em conta uma amostra que facilmente se obtém.

Não creio que Lensculture e sites afins tenham uma visam mais clássica da fotografia que plataformas mais sociais como Flickr. Antes pelo contrário, têm para mim uma visão muito á frente comparativamente e bastante mais inclusiva na curadoria o que contribui para uma amostra muito mais eclética (oposto de repetitiva) e surpreendente.

Creio que os criadores gravitam entre os dois tipos de plataformas na sua busca constante de novas formas de observar o mundo.

Abraço.

Não estou a ser nem a falar de preconceito. E da essência do Flickr e afins já falamos e concordamos, isso não invalida que haja excelentes fotógrafos a partilhar lá o seu trabalho devido ao facto da sua vertente comercial/profissional assim o exigir.

Temos de ser nós  a nos capacitar de separar o trigo do joio e mesmo em tais plataformas o possamos e devamos fazer.

Tenho uma conta instagram onde nem posto e apenas sigo aqueles que sinto poderem dar-me algo, sigo fotógrafos, emergentes ou não, diferentes ou iguais, tenho espaço para apreciar todos desde que os sinta e me transmitam algo.

Sinto que a paisagem é de certa forma ligada à banalidade e aos reformados do facebook. Não é um preconceito, é uma analise ou leitura que faço, neste momento é dada como uma arte menor e quando bem feita é tudo menos isso.

Tenho dificuldade em partilhar algo que catalogue como paisagem,a meu ver tem de ter algo único e especial, dada esta banalização da fotografia no geral e onde a "paisagem" é tão abrangente, um saco para muitas batatas.


Editado por JMeireles, 19 Fevereiro 2020 - 10:31 .



Partilhar Post #11 nbplopes

nbplopes

  • Membro
  • Registo: 12/07/2012
  • Posts: 6310

Publicado 19 Fevereiro 2020 - 14:17

Bom,

 

Creio que deverás expressar um pouco melhor as tuas ideias. Porque se não é uma perca de tempo e nada de se aprende. Nem tu nem eu. 

 

As palavras descriminação e preconceito na prática de mãos dadas. Sendo que a segunda tipicamente é a que sustenta a prim

 

Se não vejamos o que escreves:

 

"Entendo o que dizes e concordo, plataformas como a lensculture tendem a ser mais fieis ao clássico, ou melhor, ao entendimento clássico de fotografia e claramente sempre numa versão "alternativa" não comercial."

 

O que é o entendimento clássico da fotografia? Pegando no exemplo do Sebastião Salgado, claramente as os seus projectos foram comprados por múltiplas publicações. Mesmo quando era menos conhecido. Aliás como todos os fotógrafos que conseguem fazer vida para além da pobreza.

 

https://www.lenscult...on-photographer

 

"O que reparo nessa postura é que a posição de outros estilos de fotografia fica sempre fora, como que não tivesse valor, emergente ou não".

 

Ficam sempre de fora, quais estilos? Tipicamente isto sugere ume regra descriminatória, independentemente do mérito. E sendo assim tipicamente é sustentada num preconceito ou foco.

 

E dás um exemplo fictício para ilustrar o teu ponto de vista em relação á curadoria do Lenculture e afins:

 

"No entanto, ele tem tambem paisagens belíssimas, verdadeiras obras de arte. Não sei quais das abordagens veio primeiro na sua vida mas se por acaso o emergente Salgado tivesse começado pelas suas paisagens e as sugerido ao lensculture, iria ser barrado e não lhe teriam dado valor."

 

Seria barrado porquê neste teu fictício exemplo? Dito desta forma novamente sugere uma regra que é independente do mérito, logo com base num preconceito.

 

E dei um contra exemplo directo do lensculture de um fotógrafo de Paisagem que porventura ainda não tem um corpo de trabalho ao nível do Salgado.

 

Portanto tens aqui muitas afirmações tuas que não explicaste devidamente. Se quiseres explicar, explica. Se não ok. Tudo bem, reservas a explicação para ti,

 

Quanto ao haver coisas boas, mesmo boas, desinteressantes ou até más pode acontece em qualquer plataforma. E em ultima análise independentemente de tudo é o observador que aprecia o "texto" (como curador ou leitor). Se gostar, procura mais, se não gostar segue em frente e não olha para trás. Ainda no fim de semana passado fui a uma curta exposição de Picasso em Algés, umas coisas gostei, outra fiquei indiferente e outras não levaria para casa.

 

Bom, mas isto é a verdade de lá palice. E aí concordamos, Bem como concordamos com a relevância de haver plataformas múltiplas com abordagens destintas e respectivos vectores de apreciação por forma fomentar a diversidade. Elemento fundamental para se abram novos caminhos de exploração e acessibilidade dos meios de exploração,

 

Abraço.

 

PS: O que acontece é muito simples, Tipicamente espaços como o LensCulture ou BurnMagazine têm preferência por séries/editoriais. E quando são apenas fotos únicas há um conjunto de vectores de apreciação que vão para lá da imagem ser excelente ou muito boa, nomeadamente o corpo de trabalho do fotógrafo, actualidade do "texto", a perspectiva incomum e outras coisas mais. Num site cuja curadoria emerge de processos sociais digitais, tal já não acontece. Há menos condicionantes ... ou se calhar até á mais dado que esses processos são extremamente complexos, entrando com variáveis algorítmicas que ninguém sabe quais são. No fim do dia são plataformas que existem para gerar dinheiro com a atenção dos seus utilizadores. Quanto mais tempo por lá se anda, mais dinheiro dá a gerar á empresa.


Editado por nbplopes, 19 Fevereiro 2020 - 14:28 .



Partilhar Post #12 JMeireles

JMeireles

  • Membro
  • Registo: 24/04/2018
  • Posts: 212

Publicado 19 Fevereiro 2020 - 15:59


 

E dei um contra exemplo directo do lensculture de um fotógrafo de Paisagem que porventura ainda não tem um corpo de trabalho ao nível do Salgado.

 

Aqui perdi-me, não encontro essa tua referencia ou exemplo. Só vejo a referencia ao Peter Lindbergh que não encaixa nem de perto no que tentei expor.

 

"Preconceito é uma opinião desfavorável que não é baseada em dados objectivos,  mas que é baseada unicamente em um sentimento hostil motivado por hábitos de julgamento ou generalizações apressadas."

 

 

Ora não é o caso, eu apontei factos e não foram apresentados outros tais a contrapor. Eu entendo o que dizes com a preferência por serie/editoriais, diria quase documentais em algumas delas. No entanto, o tema paisagem, natural principalmente, pode também ser apresentado de tal modo e acho estranho raramente o ver, isto sim é preconceito, porque não tenho provas de ter, ou não, sido dado a aprovar pela curadoria, propostas tendo  por base paisagem natural ou morta. A preferência pela presença humana é um factor inerente a plataformas como as que estamos a falar e não é difícil comprovar isso. Ou pelo menos confirmar a regra que terá excepções acredito.

Faz um scrool pelo link que me deste e repara quantas publicações te aparecem onde o mundo sem pessoas é apresentado, é claramente reduzido, claro que isto pode ter a simples explicação de ser menos apreciado e como tal, ser alvo de menor atenção pelos artistas ou fotógrafos, posso é especular que não, não é bem o mesmo que o depreciativo preconceito.

Eu aprecio a mensagem subliminar na fotografia, mostrar o que não está lá, por isso fico desapontado por raramente encontrar estas referencias.

 

Atenção que posso estar a cair no preconceito de parecer que tenho algo contra plataformas como esta, não o tenho, não podemos no entanto negar que a partir da altura em que o 1x passou a ser pago, quem o faz acaba por ver as suas fotos aprovadas e o nível geral da plataforma desceu. Pode também ser subjectiva esta minha opinião, claro.


Editado por JMeireles, 19 Fevereiro 2020 - 16:02 .



Partilhar Post #13 nbplopes

nbplopes

  • Membro
  • Registo: 12/07/2012
  • Posts: 6310

Publicado 19 Fevereiro 2020 - 18:16

Fazes quotes de coisas que não lês, portanto.

Está mesmo no quote que fizeste ao meu post. Logo a seguir ao texto a negrito e da frase “Apenas um exemplo:”.

Mas esquece, siga.

Fica bem.

PD: Que factos apresentaste? A história inventado por ti sobre um possível Sebastião Salgado candidato barrado pela curadoria do Lensculture por mera descriminação (fica de fora como não tivesse valor, termo por ti usado)? É isso um facto ou um factoid?

Se isto não é um indício de algum preconceito sobre este tipo de plataformas não sei o que poderia ser. Há muita coisa que fica de fora certamente com valor, como em qualquer processo de curadoria, seja este emergente ou mais estruturado.

Quanto mais depressa lidares com estas questões de curadoria, editoriais, e coisas mais para lá do disparo ou da composição, se a foto é mais bonita ou menos, com clareza na tua mente ... poderás então perder menos tempo que eu perdi com estas coisas. Mas se não quiseres também na boa.

EDIT: Lembrei-me agora de outra excelente plataforma. National Geographic: Your Shot

Editado por nbplopes, 20 Fevereiro 2020 - 00:45 .



Partilhar Post #14 deim

deim

  • Membro
  • Registo: 19/02/2008
  • Posts: 8095
  • Idade: 35
    • Local: Londres
    • Não é o equipamento...

Publicado 21 Fevereiro 2020 - 00:25

Eu acho que os curadores vão ser cada vez mais importantes e essenciais. 

 

https://www.instagra...ierphotography/

https://www.instagram.com/mannyortiz/

 

https://www.instagra...tiansabalbruce/

https://www.instagra...m/davidslijper/

https://www.instagra...cardovimercati/

https://www.instagra...waterlotstudio/

 

É excelente toda a gente poder colocar o que lhe apetece, mas não é pela qualidade do trabalho que se destacam... 




Partilhar Post #15 JMeireles

JMeireles

  • Membro
  • Registo: 24/04/2018
  • Posts: 212

Publicado 21 Fevereiro 2020 - 10:53

Eu acho que os curadores vão ser cada vez mais importantes e essenciais. 

 

https://www.instagra...ierphotography/

https://www.instagram.com/mannyortiz/

 

https://www.instagra...tiansabalbruce/

https://www.instagra...m/davidslijper/

https://www.instagra...cardovimercati/

https://www.instagra...waterlotstudio/

 

É excelente toda a gente poder colocar o que lhe apetece, mas não é pela qualidade do trabalho que se destacam... 

Estamos a misturar alhos com bugalhos. Eu não sou contra a curadoria, eu sou um dos maiores defensores da critica, da analise, da apreciação, como lhe quiserem chamar.

Os curadores, ou editores do antigamente, são no entanto cada vez mais levados a ter outros valores de analise. Reparem no decréscimo de qualidade do 1x quando teve de começar a pedir dinheiro aos membros. Começaram a  ser publicados trabalhos pagos e não totalmente avaliados pelo mérito.

Entendo bem o que dizes mas esse fenómeno é transversal, podemos falar do grande artista que é o Tony Carreira e outros que tal?




Partilhar Post #16 JMeireles

JMeireles

  • Membro
  • Registo: 24/04/2018
  • Posts: 212

Publicado 21 Fevereiro 2020 - 10:59

Fazes quotes de coisas que não lês, portanto.

Está mesmo no quote que fizeste ao meu post. Logo a seguir ao texto a negrito e da frase “Apenas um exemplo:”.

Mas esquece, siga.

Fica bem.

PD: Que factos apresentaste? A história inventado por ti sobre um possível Sebastião Salgado candidato barrado pela curadoria do Lensculture por mera descriminação (fica de fora como não tivesse valor, termo por ti usado)? É isso um facto ou um factoid?

Se isto não é um indício de algum preconceito sobre este tipo de plataformas não sei o que poderia ser. Há muita coisa que fica de fora certamente com valor, como em qualquer processo de curadoria, seja este emergente ou mais estruturado.

Quanto mais depressa lidares com estas questões de curadoria, editoriais, e coisas mais para lá do disparo ou da composição, se a foto é mais bonita ou menos, com clareza na tua mente ... poderás então perder menos tempo que eu perdi com estas coisas. Mas se não quiseres também na boa.

EDIT: Lembrei-me agora de outra excelente plataforma. National Geographic: Your Shot

Não há necessidade de crispar o tom, estamos apenas a trocar pontos de vista.

 

O exemplo que dei do Sebastião Salgado, referi logo como um suposição apenas para reforçar a ideia de que a fotografia de paisagem, ou dita de paisagem, na sua essência ignorada ou desvalorizada em relação à fotografia com factor humano, com pessoas. Foi uma opinião que deixei e apresentei o facto de raramente se ver em prémios de valores emergentes um "Michael Kenna", atenção não estou a falar dele em si que já não tem idade nem currículo para ser emergente, apenas ignorado por muitos, mas outros como tal que possa ser a sua área de interesse.

 

Fico mesmo bem e espero que acredites.

 

National Geographic, sim eu sou um assíduo cliente da revista deles e por isso posso te dizer que há fotógrafos de paisagem a fazer trabalhos superiores aos apresentados na revista. Na minha opinião, claro.


Editado por JMeireles, 21 Fevereiro 2020 - 11:01 .



Partilhar Post #17 nbplopes

nbplopes

  • Membro
  • Registo: 12/07/2012
  • Posts: 6310

Publicado 21 Fevereiro 2020 - 14:16

Eu não sou contra a curadoria.

 

Consubstancia lá essa posição dando exemplo de palcos que aprecies onde os processos de curadoria são fortes em torno de um colégio. Escreves isto mas depois a prosa não acompanha ....

 

Antes pelo contrário, já os colocaste nas caixinha de "classicismo", "do antigamente", "discriminação", "vendidos" ... e coisas mais. Isto está lá na opinião que manifestas-te. Isto sem apresentar qualquer facto que fosse abrangente/transversal. 

 

O exemplo que deste do Sebastião Salgado foi fraco por diferentes motivos. Não é real nem funciona como arquétipo.  A Magnum foi a organização que lhe deu a mão quando ele não era conhecido. Saindo depois por considerar que estava em condições já de encetar uma agência em torno dele. E se não sabes a Magnum é a organização que está como base do LensCulture. Não estou a defender esta organização, apenas a salientar que os teus exemplos não são reais. Se não encontras muita paisagem na primeira página do LC, tens outras plataformas também fortemente curadas como o Your Shot, onde já encontras.

 

Quanto ao Kenna, um fenómeno do Facebook, já depois de uma longa história de 4 décadas a criar fotografia com livros e exposições multiplas ... não estou muito por dentro da história de vida dele porque é um género que não procuro.

 

Mas acredito que para um fotógrafo profissional hoje em dia é muito importante estar nas redes sociais pois podem servir para abrir portas, para estar junto da sua audiência e com isso aumentar a sua audiência, sempre foi assim (e não ele, então delegue isso a outro). Sendo estas redes sociais de fotografia mais umas quantas a par de outras. Ninguém dá mérito a ninguém, muito menos plataformas, o mérito arranca-se com as mãos a sangrar, a sorte procura-se até não se conseguir andar e corpo de trabalho de excelência aparece quando já não se sentir o corpo. Pouca gente está disposta a isso. Sempre assim foi e o mundo digital não veio simplificar isso. Quando já se tem sucesso aí sim toda a gente se chega á frente para com isso $$, e já muitos se querem inspirar nele/a.

 

Quem gosta de "ler" fotografia terá que procurar em múltiplas plataformas sem preconceitos, algumas até físicas como exposições. Se não o fizer, a sua visão será afunilada por um muito curto espectro de algoritmos, sejam estes automáticos, sejam estes manuais. Mas lá está, também muito pouca gente está disposta a isso, ou tem tempo para isso depois de um logo dia de trabalho e mais umas horas a ajudar a criançada a fazer os trabalhos de casa ... entretanto são 22:00 e ainda falta o relatório ... Quem gosta de contar histórias com imagens terá de buscar a atenção das pessoas nestas condições.

 

Abraço.


Editado por nbplopes, 21 Fevereiro 2020 - 14:17 .



Partilhar Post #18 JMeireles

JMeireles

  • Membro
  • Registo: 24/04/2018
  • Posts: 212

Publicado 21 Fevereiro 2020 - 15:50

Consubstancia lá essa posição dando exemplo de palcos que aprecies onde os processos de curadoria são fortes em torno de um colégio. Escreves isto mas depois a prosa não acompanha ....

 

Antes pelo contrário, já os colocaste nas caixinha de "classicismo", "do antigamente", "discriminação", "vendidos" ... e coisas mais. Isto está lá na opinião que manifestas-te. Isto sem apresentar qualquer facto que fosse abrangente/transversal. 

 

O exemplo que deste do Sebastião Salgado foi fraco por diferentes motivos. Não é real nem funciona como arquétipo.  A Magnum foi a organização que lhe deu a mão quando ele não era conhecido. Saindo depois por considerar que estava em condições já de encetar uma agência em torno dele. E se não sabes a Magnum é a organização que está como base do LensCulture. Não estou a defender esta organização, apenas a salientar que os teus exemplos não são reais. Se não encontras muita paisagem na primeira página do LC, tens outras plataformas também fortemente curadas como o Your Shot, onde já encontras.

 

Quanto ao Kenna, um fenómeno do Facebook, já depois de uma longa história de 4 décadas a criar fotografia com livros e exposições multiplas ... não estou muito por dentro da história de vida dele porque é um género que não procuro.

 

Mas acredito que para um fotógrafo profissional hoje em dia é muito importante estar nas redes sociais pois podem servir para abrir portas, para estar junto da sua audiência e com isso aumentar a sua audiência, sempre foi assim (e não ele, então delegue isso a outro). Sendo estas redes sociais de fotografia mais umas quantas a par de outras. Ninguém dá mérito a ninguém, muito menos plataformas, o mérito arranca-se com as mãos a sangrar, a sorte procura-se até não se conseguir andar e corpo de trabalho de excelência aparece quando já não se sentir o corpo. Pouca gente está disposta a isso. Sempre assim foi e o mundo digital não veio simplificar isso. Quando já se tem sucesso aí sim toda a gente se chega á frente para com isso $$, e já muitos se querem inspirar nele/a.

 

Quem gosta de "ler" fotografia terá que procurar em múltiplas plataformas sem preconceitos, algumas até físicas como exposições. Se não o fizer, a sua visão será afunilada por um muito curto espectro de algoritmos, sejam estes automáticos, sejam estes manuais. Mas lá está, também muito pouca gente está disposta a isso, ou tem tempo para isso depois de um logo dia de trabalho e mais umas horas a ajudar a criançada a fazer os trabalhos de casa ... entretanto são 22:00 e ainda falta o relatório ... Quem gosta de contar histórias com imagens terá de buscar a atenção das pessoas nestas condições.

 

Abraço.

 

Volto a deixar claro, quem está a dar a opinião sou eu, passo o pleonasmo, ela é pessoal!

Eu não coloquei nada em caixinha alguma, nem fiz por difamar.

Apontei o facto de haver menos boa paisagem a ser destacada, de sentir que é colocada como uma arte menor, tens a tua leitura do mundo e deste-a, muito bem é a isto que se chama trocar ideias, ou pontos de vista.

O 1x está pior desde que é pago, é pessoal esta minha opinião? é, e vale o que vale, mas reafirmo, está pior.

Eu não falei em vendidos mas sim em aceitar os dias de hoje. Tens o caso bem conhecido do Ted Forbes e tantos outros, que nos empolgaram há 10 anos e hoje é um Melga com milhares de (L)Mikes.

 

Eu bem sei que o sucesso,  seja em que área for, vem do trabalho e do esforço e nem vou para o "cliché" de afirmar que não é bem assim e quem nasce num meio privilegiado tem mais facilidade em ver premiado esse esforço, isto não invalida que não o tenha de ter.

Tenho o conhecimento e a disponibilidade para a fotografia que a minha vida me permite e já agradeço o que tenho, não sou nem me faço passar por erudito ao afirmar que devemos ver fotografia de mente aberta e tirar de lá tudo o que conseguirmos, simplesmente acredito nisso.

Seja que género for e abordagens, até catálogos de moda eu gosto de apreciar, não temos de o fazer só em exposições. Sabes quantos tios de cascais fazem exposições hoje em dia, sem saber ler nem escrever? à conta da popularidade social bajuladora de plataformas como facebook´s e afins.

 

Eu adoro estas conversas, fico é triste por sentir que muitas vezes são levadas para o lado errado, há uma interpretação deste ou daquele discurso e eu também o posso fazer, atenção.

 

Pelo que partilhas, vejo que tens filho(s), uma família e que grande parte do tempo que dedicas à fotografia é com eles. É o mais bem empregue, acredita, eles serão os mais entusiastas leitores dessas imagens daqui a uns anos, eles e a nossa saudade.

Mas ficamos pelo registo de memoria? não.. como podemos, temos os "nossos fotógrafos", as "nossas inspirações", como falaste no outro post, temos linhas de criatividade fundidas no muito que já vimos e lemos, no que somos e acima de tudo, respeitamos como o catano a fotografia.

Entendes então que alguns dos trabalhos emergentes partilhados nestas plataformas, são um pouco disto que falamos, são íntimos, pessoais, quase voyeur, tiveram certamente tentativa e erro, aprendizagem, evolução, etc mas são bem mais fruto do quotidiano, quero acreditar que(muitos deles) não são encenados, planeados, teatralizados, são momentos reais ou que procuram o real, são retratos de um segundo.Eu adoro essa fotografia e quero acreditar que não me estão a enganar e quero continuar a vela assim, claro.

Com paisagem já não podes ter isto, podes sempre iludir na edição, contar a tua historia aos teus olhos mas não chega, as pessoas também já querem ver e sentir que é real, que foi um momento, que também elas são especiais por a poder ver. No entanto, já está tudo tão banalizado e misturado nos instagrams desta vida que cada vez mais é difícil separar o trigo do joio.

 

Fazes sempre por escrever (muito) o que pensas e achei que deveria respeitar-te em também me dar a esse trabalho.

 

Abraço.




Partilhar Post #19 nbplopes

nbplopes

  • Membro
  • Registo: 12/07/2012
  • Posts: 6310

Publicado 21 Fevereiro 2020 - 18:07

A minha prosa visa apenas a desconstrução do mito que as plataformas de fotografia que têm como base “partilhe o que quiser” e uma curadoria que tem como base 1 voto um ponto toda a gente pode votar, nos traz maior pureza de mérito (mérito fotográfico). Não.

Diria mesmo, antes pelo contrário. São plataformas fabulosas de realização / cópia de pontos de vista. Dando lugar a resmas de mais do mesmo. Tanto de tias e tios como de quem não o é.

Mais, traz-nos uma arrogância injustificada face a processos mais estruturados. O contrário já não é bem assim. Mas infelizmente também acontece e não tão poucas vezes como isso. Não é incomum a colisão entre os actores de uma e de outra. apresentado ambos nada sobre nada. Uns açoitando com a popularidade e o processo democrático e outros açoitando pela erudição, ambos com pouca clareza de espirito ... mundividência.

Relativamente ao LensCulture é perfeitamente natural a pouca predominância da paisagem no seu portfólio. conhecendo um pouco a história da plataforma, torna-se compreensível e salutar uma curadoria centrada no Homem e a forma como se relaciona com os outros e o meio ambiente.

Não querendo destruir alguma expectativa tua, informo que muitas das coisas que la estão, foram encenadas usando processos semelhantes ao Gregory Crewdson mais modestos financeiramente certamente.

O Your Shot já é diferente. Com raiz no National Geographic tem uma temática mais planetária em que o papel do ser humano é apenas mais um papel. Um ser vivo entre outros seis vivos, vegetais ou animais.

O Kenna: Em matéria de modernidade o Kenna é até bastante clássico. Explorando as potencialidades estéticas do espaço apenas para então criar sobre esta uma linguagem própria que vem da arte para a arte. Com uma diferença de outros ... as imagens despertam um imaginário romântico sobre o espaço e algum mistério (Romantismo). A paisagem é só e apenas um objecto que usa para sobre este construir a sua estética romântica. No fim do dia, da paisagem que fotografou sobra apenas um esqueleto. As pessoas dizem que é fotografia de paisagem. Para mim a fotografia dele tem tanto de paisagem como o filme Joker tem de palhaços. Daí se calhar passar ao lado da curadoria do National Geographic.

Nesta visão do Kenna sobre o espaço retratado e a fotografia como meio de reconstrução do espaço, tens muita coisa de nota, que usam tanto a paisagem como outros objectos (http://www.stillsgal...com.au/artists/). Não estou a menosprezar o que ele faz, gosto bastante, mas a clareza de espirito é necessária para que seja vista num espaço mais alargado a par de outras opções no mesmo sentido (desconstrução e reconstrução dos elementos fotografado em outro espaço). Neste sentido, diria que o mundo criado por Trent Parke é muito mais rico de narrativa e perspectivas apesar de passar ao lado destas plataformas foto sociais (Kenna, meio milhão de seguidores no Facebook ... wowooo).

O Sebastião nesse aspecto tem uma linguagem mais transparente, menos reconstrução dos objectos. Ele não trata a paisagem como um objecto para então construir uma estética num outro espaço, procura sim ampliar essa paisagem com a beleza do seu sentido estético, não a reconstruindo para lá da passagem para preto e branco. No entanto tem sido criticado em alguns círculos, nomeadamente porque o sofrimento humano e ou os problemas que procura retratar, são esmagados por essa beleza. Podendo ter o efeito oposto daquilo que pretendia, que é de ser condutor de uma relação empática entre o leitor e os problemas retratados. De certa forma a realidade é retratada em ton de fábula. Mas poderá o Sebastião dizer ... "se não for contado como se fosse um livro para crianças o pessoal muda de canal". Não deixaria de lhe dar razão.

Há espaço para tudo isto e muito mais. A multiplicidade de plataformas permite que todas as abordagens possam ser exploraras. Não permitindo que haja descriminação de género hoje em dia. Permitindo que tantos os autores como as plataformas possam fazer tranquilamente as suas opções sem que nenhuma possa sentir que esteja a descriminar este ou aquele género com a certeza que onde uma termina o seu interesse outra irá pegar. Cabe aos criadores, sejam Amadores ou Profissionais, escolherem a que mais se adapta áquilo que procura para que possa ter a maior exposição e impacto. Ou então, simplesmente guardar para si, ou para a gaveta. No fim do dia também é uma opção bastante comum para quem apenas procura a experiência fotográfica e nesta a outro e nada mais precisa que isso para se alimentar.


Editado por nbplopes, 23 Fevereiro 2020 - 23:33 .



Partilhar Post #20 Catarina

Catarina

  • Membro
  • Registo: 28/01/2008
  • Posts: 55
  • Idade: 53
    • Local: Lisboa

Publicado 24 Fevereiro 2020 - 14:00

Só uma achega

https://americansuburbx.com/

Que acham deste?