Ir para conteúdo

  • Facebook

  • Este site usa cookies para melhorar a sua experiência como utilizador. Ao utilizar o site está a aceitar o uso de cookies. SABER MAIS ENTENDI

Foto

Que associações do sector de fotografia interessam ao profissional?


  • Por favor inicie sessão para responder
4 respostas a este tópico

IT Partilhar Post #1 ricardomoura

ricardomoura

  • Novo Membro
  • Registo: 25/03/2019
  • Posts: 4
    • Local: Santo Tirso

Publicado 25 Março 2019 - 20:40

Olá a todos.

Como parte do preenchimento de um bonito CV profissioal começa a tornar-se progressivamente relevante a afiliação com algumas associações/ comunidades do sector de fotografia, quer sejam internacionais quer sejam nacionais. Algumas são genéricas outras de especialidade. No meu caso embora fotografe para múltiplos eventos, como fotografia de batizados e concertos, vou optar por escolher algo na especialidade de fotografia de casamentos. O ideal seria que a instituição fosse abrangemte e estivesse organizada em categorias, mas as da especialidade também são as mais notáveis.

 

Algumas serão concorrentes, outras não pelo que muito provavelmente a decisão poderá recair sobre mais que uma.

 

Reuni aqui algumas dessas associações e os custos associadas que encontrei.

De notar que estes custos renovam anualmente.

 

Internacionais

 

MYWED >> 100USD 

https://mywed.com/en/

 

FEARLESS >> 159 USD (1º ano) e 129 USD (renovação)

https://www.fearlessphotographers.com

 

WEDISSON >> 149 USd (1º ano), 129 USD (renovação)

http://wedisson.com/registration

 

ISPWP >> 179 USD

https://www.ispwp.com

 

European Photographers >> 0,00 USD

https://www.europeanphotographers.eu

 

Wedding Photographer Society >> 89,00 EUR (incl. 20% desconto)

https://weddingphotographersociety.com

 

Inspiration Photographers >> Membership Request

https://inspirationphotographers.com

 

Wedding Photojournalist Association >> $150 USD

https://www.wpja.com

 

Em Portugal

Associação Portuguesa de Profissionais de Imagem >> 140 EUR

https://www.appimagem.pt

 

Na APPImagem, quando liguei informaram que associado à taxa de inscrição existia também um seguro de equipamento fotográfico. Isto será interessante, mas presumo que o valor irá variar em função do material de cada profissional.

 

Na APPImagem também apenas é solicitada a identificação da empresa ou declaração de início de actividade. Na prática não existe aferição acerca das competências técnicas do profissional, pelo que estes "sêlos" terão essencialmente um peso em termos de "visibilidade" e não de mérito ou distinção, à excepção dos casos onde se organizem concursos regulares, que elegem por votação ou decisão de júris, e que, para concorrer também é necessário o registo e respectivo pagamento.

 

Existem outras relevantes? Que condições? Qual a notoriedade?

 

 

 

***

Ricardo Moura Fotografia




Anúncios

Partilhar Post #2 APAF

APAF

  • Membro
  • Registo: 11/11/2005
  • Posts: 1256

Publicado 26 Março 2019 - 15:14

Um post muito ligeiro, ainda que com boas intenções, para não ser muito crítico. Salva-se o espírito de iniciativa.

 

Em primeiro lugar “um bonito CV” não quer dizer um bom fotógrafo. O trabalho vê-se pelo portfólio apresentado e em muitos casos um CV com referências a associações ou a prémios cheira a “kitch” e é um passo direto para o caixote do lixo. Claro que depende do público. Depois depende da área do fotógrafo, um fotógrafo de galeria e de projetos não menciona associações e quanto a prémios é (muito) seletivo. Por isso “começa a tornar-se progressivamente relevante a afiliação com algumas associações/ comunidades do sector de fotografia, quer sejam internacionais quer sejam nacionais” é muito discutível, a não ser para quem acabe de chegar ao mercado, profissional ou artístico, e seja completamente verde nesta matéria.

 

No que se refere a Associações estrangeiras, tirando a Magnum e outras do género, nada interessa saber a que associações se pertence.

 

Quanto a associações há várias. Em Braga temos os Encontros de Imagem, que são uma associação cultural, além de promoverem os Encontros, neste momento o mais significativo evento realizado em Portugal. Não estamos a falar de casamentos.

 

Em Paços de Ferreira existiu a Associação de Fotógrafos Profissionais do Vale do Sousa, penso que mais tarde designada de Associação de Fotógrafos Profissionais e a agora designada de Associação Portuguesa dos Profissionais da Imagem e que recentemente levou a efeito um evento no Porto. Não tenho a certeza da distinção temporal e organizacional entre elas, sendo que a primeira foi uma dissidência da ANIF, ainda hoje legalmente existente.

 

Em Coimbra temos a Associação Encontros de Fotografia, que reúne o nome, o espólio e o historial dos Encontros de Fotografia, que chegou a ser uma das melhores realizações europeias do género, a um conjunto de atividades de formação, divulgação e edição e que estará sedeada no Pátio da Inquisição.

 

Na zona de Lisboa existe a APAF – Associação Portuguesa de Arte Fotográfica, fundada em 1949 e que reúne fotógrafos, independentemente de serem profissionais ou amadores. O Atelier da Imagem, além de escola é também uma entidade associativa.

 

A sul a Associação Livre de Fotógrafos do Algarve. Nos Açores a AFAA – Associação de Fotógrafos Amadores dos Açores, e se calhar estamos a esquecer-nos de algumas, do que desde já pedimos as nossas desculpas.

 

Poderíamos ainda referir entidades associativas de norte a sul que têm projetos específicos ou multidisciplinares e que en, No Porto (Ci.CLO, Mirafórum, etc., na Covilhã, nas Caldas da Rainha, em Évora, etc. e que envolvem também a fotografia

 

Sendo o conceito de Profissional discutível (um fotógrafo de galeria que vende os seus trabalhos para coleções não será um profissional?) e amadores (os que amam a fotografia) não seremos todos nós, há que refletir sobre algumas afirmações.

 

Algumas serão concorrentes”. O espírito associativo em Portugal não é fácil e no meio fotográfico ainda menos. Num país em que a cultura é vista como algo de suplementar e não de essencial, onde o meio e o mercado fotográfico são pequenos, quer estejamos a falar de coleções, mecenas, galerias ou simplesmente de tecido económico e clientes da indústria e serviços, não é uma vida fácil. Por isso todas têm lugar, todas conhecem dificuldades específicas e todas trabalham para uma melhor fotografia. Em campos diferentes, com públicos diferentes. A sua atividade por categorias seria impensável para além do que hoje já existe de casamento, autor ou generalistas. Não há mercado nem meio cultural que as subdivida muito mais em fotografia de crianças, recém-nascidos, jovens, etc. etc. O que há, é fotógrafos que se especializam em áreas específicas, mas uma entidade associativa, para além das questões legais (Finanças e Estado em geral) ou logísticas (rendas, corpos diretivos, etc) não tem essa possibilidade, para além dos fotógrafos poderem atuar em várias áreas (veja-se o caso deste post fotografia de batizados e concertos – estamos a falar de fotografia social no primeiro caso e eventualmente fotojornalismo no segundo). Só para terminar, recordo como a Lei das Rendas, algo recente ajudou a dificultar a vida a muitas entidades (algumas da fotografia) ou acabou com muitas associações culturais em Lisboa e no Porto.


Editado por APAF, 26 Março 2019 - 15:19 .



Partilhar Post #3 deim

deim

  • Membro
  • Registo: 19/02/2008
  • Posts: 8027
  • Idade: 35
    • Local: Londres
    • Não é o equipamento...

Publicado 26 Março 2019 - 19:30

Eu concordo com alguns pontos da APAF. Para o cliente de fotografia social, as associações são irrelevantes. Muitas vezes nem os fotógrafos as conhecem, quanto mais pessoas que nada têm a ver com a fotografia. E quando o único que é preciso para fazer parte é pagar, menos relevante ainda se torna. A não ser que colhas benefícios directamente das associações, não vejo grande utilidade em pagar determinadas cotas. 




Partilhar Post #4 luísmiguel

luísmiguel

  • Membro
  • Registo: 27/01/2008
  • Posts: 2223
  • Idade: 37
    • Local: Viseu
    • “The only photographer you should compare yourself to is the one you used to be.”

Publicado 26 Março 2019 - 21:03

O Deim tem razão, para o cliente final tem mais valor um "selo de qualidade" de um portal de casamentos( tipo zankyou/casamentos.pt etc...) do que uma afiliação numa associação nacional/internacional qualquer, simplesmente porque conhecem/confiam/interagem diretamente com as primeiras e desconhecem, ou não reconhecem, a esmagadora maioria das segundas.
Dito isto, e se realmente queres/achas necessário, penso que para o mercado de casamentos em específico a WPPI é a que mais se assemelha ao que procuras.


IT Partilhar Post #5 ricardomoura

ricardomoura

  • Novo Membro
  • Registo: 25/03/2019
  • Posts: 4
    • Local: Santo Tirso

Publicado 27 Março 2019 - 13:32

O propósito é identificar as associações/ organizações que existem, reunir opiniões e compreender a visão que existe, em face dos objetivos de cada uma.

Obrigado APAF pela inclusão dos demais. Sugeria que os linkasse de forma a ser mais rápido o acesso aquando a leitura.

Concordo que o conceito Profissional de fotografia seja discutível, ao ponto de no enquadramento atual das atividades, ver fundamento legítimo da sua designação no momento em que o fotógrafo desenvolva uma certa dimensão de portólio de trabalho remunerado. Sem que isto possa representar efetivamente uma capacidade ou qualidade artística, já que esta é aferida pelo "consumidor" não necessariamente apto para o exercicio de avaliação técnica.

 

Em relação às explicações acerca das convivências das múltiplas associações de fotografia, em Portugal, são certamente relevantes no seio cultural. Valorizo a sua existência e contribuo regularmente no âmbito do associativismo em algumas, não de fotografia ainda.

 

 

Compreender as opiniões, desejos e amarguras de fotógrafos experientes ajudarão a definir uma melhor visão.

 

A fotografia adquiriu um estatuto importante no meio digital online, e mais do que no CV "bonito", o trabalho do fotógrafo pode ganhar projeção rapidamente na corrente digital, onde algumas destas associações se movimentam especialmente bem.

 

No contexto da fotografia de casamentos, concordo que as tais empresas mencionadas são o alvo, mas também aí há custos, legítimos.

Acima, nas organizações que listei, internacionais, será também uma questão de "mérito", isto porque nem qualquer trabalho é destacado, mas para tal, também é necessário contribuir com as taxas. E como são várias, era interessante perceber qual delas tem efetivamente mais dinâmica.

 

A WPPI é uma exposição e concurso? Desconhecia.

 

Sobre a questão do seguro de equipamento da APPImagem, alguém já o testou?