Ir para conteúdo

  • Facebook

  • Este site usa cookies para melhorar a sua experiência como utilizador. Ao utilizar o site está a aceitar o uso de cookies. SABER MAIS ENTENDI

Anúncios (remover)

Foto

Glossário Da Fotografia, "O ABC da Fotografia"


  • Por favor inicie sessão para responder
10 respostas a este tópico

IT Partilhar Post #1 _diana__

_diana__

  • Membro
  • Registo: 27/01/2008
  • Posts: 481
  • Idade: 38
    • Local: Loulé - Algarve

Publicado 27 Janeiro 2008 - 23:40

+ um artigo retirado de um fórum. achei interessante dado que pode tirar algumas duvidas a todas as pessoas que se estao a iniciar em fotografia (tipo eu :D )


EDIT: este artigo foi escrito pelo prof. Énio Leite e foi postado por Fábio Henrique Leonardo em: http://forum.imaster...howtopic=164828

__________________________________________________________________

Sei que muitas pessoas sentem dificuldades em alguns termos da fotografia, por isso, devido a minha necessidade e com certeza de muitas pessoas, resolvi pesquisar um glossário bem completo.

Direitos à: Prof. Enio Leite

0. ABERRAÇÃO - Defeitos ópticos, inerentes nas lentes das câmaras mais populares, causando distorção ou perda da cor e nitidez na imagem final. As objetivas dos equipamentos profissionais (lentes compostas) reduzem ao mínimo este tipo de defeito. Apresentamos logo abaixo os principais tipos:

1. ABERRAÇÃO CROMÁTICA - defeito fundamental que interfere não só no rendimento, como também no funcionamento dos elementos ópticos. Se a luz fosse de um só tipo cromático (de uma cor simples), não se produziria a aberração. Mas como toda lente é um prisma, e, portanto desvia as cores segundo a longitude de onda (ou seja, um espectro, como um arco Íris).

2. ABERRAÇÃO ESFÉRICA - a imagem projetada pelos raios que atravessam a parte central de uma lente convergente não se encontra na mesma distância em relação aos raios que atravessam as partes externas. Esta é a causa da aberração denominada esférica, que é identificada por uma falta de limpeza de imagem.

3. ASTIGMATISMO - pode influir tanto na nitidez da imagem como em sua forma, enquanto que a distorção só influi na forma. Em outras palavras, é o tipo de aberração mais conhecido por todos nós, já que é um dos principais defeitos encontrados na vista humana. Em princípio, é uma aberração ótica que afeta a nitidez da imagem entrando em consonância com as aberrações, o qual consiste em uma diferença de foco entre as linhas horizontais e verticais de um objeto; enquanto as linhas horizontais acusam nitidez, as verticais ressentem de falta de foco, aparecendo borradas ou vice-versa.

4. COMA - Defeito óptico das lentes que origina pontos de luz fora do eixo luminoso e que aparecem não como pontos, mas como discos acompanhados de uma cauda como os cometas.

ABERTURA - Toda objetiva possui um sistema similar á pupila do olho humano, em forma de íris. O tamanho é variável e ajustado pelo controle número f/, quanto maior o número f/, menor é a intensidade de luz.

ABRIR - Aumentar o tamanho da abertura do diafragma, com o propósito de aumentar a intensidade de luz. Para tanto, devemos diminuir o n. f/ utilizado. Exemplo: de f/11 para f/8. A operação inversa é Fechar o diafragma.

ACRÍLICAS lentes de: As lentes das objetivas mais antigas eram fabricadas a partir de cristal ou vidro óptico. Nas câmaras tipo "High Tech" - Profissionais, com "Auto Focus", este material foi substituído pelo acrílico por serem mais leve, para permitir a livre tração do motor e minimizar seu custo final.

ACROBAT - Aplicativo desenvolvido pela Adobe que gera arquivos PDF (Portable Document Format). Podem ser visualizados pelo Acrobat Reader em qualquer computador, independente de plataforma, sistema operacional ou tipos de fonte.

ACUTÂNCIA - Padrão de medida para aferir a qualidade, quanto a sua nitidez, alteração de tons, cores e contornos da imagem.

AE - Iniciais da expressão inglesa "Automatic Exposure Meter". Modo de exposição automática no qual a câmara estabelece tanto a velocidade do obturador quanto a abertura para a obter a exposição em EV 0.

AF - "Auto Focus" em inglês. A focalização da imagem é feita automaticamente pela câmara, por meio de sensores infravermelhos.

AF LOCK -Trava o comando do Auto Focus quando se deseja desfocar o assunto do centro, ou do fundo, sem perder o plano de focalização.

AGENTE ACELERADOR - Só reage corretamente em presença de um álcali ou base. São os aceleradores do processo de revelação, cuja função básica é de expandir a emulsão para que o processo de oxido redução ocorra mais rapidamente. Cada base selecionada, conforme seu grau de alcalinidade produz maior ou menor grau de atividade da solução reveladora. Os álcalis normalmente utilizados são: Tetraborato de Sódio ou BÓRAX, Metaborato de Sódio, ou KODALK, Carbonato de Sódio, e por fim, Hidróxido de Sódio (SODA CÁUSTICA).

AGENTE CONSERVADOR - Quando os agentes reveladores são dissolvidos em água e a solução é exposta ao ar, o oxigênio reage com eles, formando produtos de oxidação. Essa reação ocorre, por exemplo, quando o revelador é colocado em banheiras. Por outro lado, o próprio oxigênio da água reage com as substâncias reveladoras, decompondo-as. O preservador normalmente utilizado para retardar essa decomposição é o SULFITO DE SÓDIO. A presença de álcalis muito fortes também oxida os agentes reveladores. Por isso, dependendo do tipo de base utilizada em cada formula, a porcentagem de sulfito varia proporcionalmente.

AGENTE FIXADOR - vide "Hipo".

AGENTE LIMITADOR ou RETARDADOR - A ação dos agentes reveladores sobre as áreas da emulsão não expostas à luz precisa ser controlada, afim de que não haja produção de véu alem do normal (Véu de Base ou Densidade de VELATURA) e para que a transparência do negativo seja aceitável. O BROMETO DE POTÁSSIO é normalmente utilizável para essa função.

AGENTE REDUTOR - Princípio ativo da solução reveladora. Transforma os cristais de haleto de prata expostos em prata metálica escura. Também denominado por agente revelador. Os mais utilizados são: METOL, FENIDONA e HIDROQUINONA, na fotografia em Preto & Branco e os compostos CD3 ou CD4 (Color Agent - Merck) na fotografia colorida.

AGENTE UMECTANTE - Aditivo de tipo detergente, como Kodak Photoflo, Estabilizador ou Rinse Final utilizada após a lavagem do filme ou papel fotográfico. Reduz a tensão superficial da água remanescente sobre o material processado, acelerando a secagem e impedindo a formação de “marcas de água”.

AGITAR - Movimentar as soluções químicas dentro de seus respectivos recipientes durante o processamento do filme ou papel fotográfico para homogeneidade dos resultados.

AJUSTE B (BULB) - Ajuste na escala de velocidades do obturador para mantê-lo aberto durante o tempo necessário para fotografar cenas com poucas condições de luz, como ruas e avenidas de grande movimento durante á noite, por exemplo.

Ajuste de Cor - vide Analisador de Cor.

AJUSTE DE CONTROLE DE EXPOSIÇÃO - (Bracketing): Método para fotografar a mesma cena com exposições maiores e menores que a indicada pelo fotômetro, com o propósito de obter imagem com exposição ideal.

AJUSTE DE INFRAVERMELHO - As objetivas intercambiáveis das câmaras profissionais, apresentam em sua superfície externa superior, ponto ou traço vermelho, gravado ao lado da seta principal, indicativa de metragem/diafragma utilizado. Quando se fotografa com filme Infra Vermelho, devemos transferir a distancia focalizada em metros ou pés para esta marcação em vermelho.

ALTAS LUZES - Compreende as áreas especifica de luzes mais intensas na cena a ser fotografada, na ampliação final, no diapositivo (slide) ou transparência. Termo também utilizado para as áreas muitos densas e escura do negativo, Preto & Branco ou colorido.

ALTERAÇÃO de Sensibilidade -Técnica que consiste em alterar, aumentando ou diminuindo a sensibilidade nominal do filme, de acordo com as condições de luz da cena, para acentuar o contraste, aumentar ou diminuir sua escala tonal. A mais comum é a técnica de filmes puxados, onde o filme é operado com sensibilidade acima da original, para compensar a falta de luz necessária, ou para congelar cenas noturnas, como esportes etc. Os filmes com sensibilidade alterada só podem ser processados em laboratórios profissionais ou processamento manual. Vide também "puxar".

ALTERAÇÕES da Emulsão do Papel - A emulsão do papel fotográfico é produzida em lotes. Cada lote apresenta desvio de sensibilidade e balanceamento de cores, e são identificados por número de série ou códigos.A cada nova troca, consulte instruções em anexo, para efetuar a respectiva calibragem geral da impressora e seu respectivo processamento.

ALTERAÇÕES do Processo Químico - O processo químico, tanto manual, como em micro-processadoras ou minilabs pode ser também responsável pela variação no padrão de cores, tanto dos negativos, cópias ou slides. Por envolver muitas variáveis, seu nível de atividade está em constante mutação. Suas respectivas correções devem estar dentro das recomendações fornecidas pelos fabricantes. Só após o ajuste químico, devemos pensar na possibilidade de correção na exposição ou calibragem por meio de filtros.

AMACIANTES DE ÁGUA (Desmineralizadores) - Substâncias Químicas tais como Ácido Edta de Sódio, Hexametafosfato de Sódio e outros, que eliminam ou tornam inofensivos os sais de cálcio, magnésio, flúor e outros presentes na água potável corrente. Essas impurezas reagem com os cristais de prata filmes e com os reveladores, e podem causar problemas como riscos e impregnação, danificando negativos e diapositivos (slides) processados tanto manualmente, como em processadoras automáticas.

AMPLIAÇÃO - Cópia em papel fotográfico, cuja imagem é maior em relação ao tamanho original do negativo. Em micro ou macrofotografia trata-se da proporção do objeto em relação ao filme da câmara.Nos caso das objetivas intercambiáveis A ampliação da imagem em filme é determinada pela distância focal da lente. Uma objetiva de distancia focal longa (teleobjetiva) permite o objeto parecer maior que a objetiva de distancia focal curta (grande angular). Na fotografia digital, refere-se às métodos de interpolação da imagem.

AMPLIADOR de Luz Fria - Ampliador cuja fonte de iluminação é constituída por um tubo de luz fluorescente. Produz muito pouco calor e sua luz é muito difusa.

AMPLIADOR por Difusor (ou Cabeça de Cores) - Ampliador cujo sistema de iluminação consiste em lâmpada dicróica, difundida por um sistema de "Caixa Branca", geralmente de vidro ou isopor, e em seguida atravessa os sistemas de filtro, embutidos na Cabeça e Cores e conduz finalmente a imagem até a objetiva. Há também ampliadores por difusão, sem cabeça cores, utilizado para Preto & Branco. Neste caso, os negativos devem ser mais densos. Mas, para ambos os casos apresentam a propriedade de ampliarem sem deixar em evidência pequenos riscos ou impressões digitais deixadas no negativo.

AMPLIADOR por Condensador - Ampliador que projeta o negativo com luz concentrada e dirigida por lentes condensadoras colocadas entre a fonte de luz e a objetiva do ampliador.

ANALISADOR de Cores -Instrumento eletrônico, manual ou acoplado á processadora, que permite controlar os ajustes corretos para a correção da densidade (cópias mais claras ou escuras) e a filtragem correta (correção de cores), adequadas para ser obter contatos e ampliações adequadas. Com o advento da fotografia digital, estas correções já podem ser realizadas com programas de imagem, como Adobe Photoshop.

ANEL de inversão ou reversão - Acessório para câmara fotográfica que permite utilizar a objetiva, invertendo a parte anterior e a posterior desta. Utiliza-se em fotografias a pequena distância ou para macro para obter imagens de melhor qualidade e maior aumento.

ANÉIS de Newton - Pequenos e múltiplos anéis multicoloridos que aparecem quando as superfícies transparentes se sobrepõem e seu contato não é perfeito. O fenômeno é provocado por interferência e pode originar problemas quando se coloca o negativo ou diapositivo (Slide) entre dois vidros ou plásticos.

ÂNGULO de visão: Amplitude que pode ser registrada por determinada objetiva; em função de sua distância focal.Quanto maior for essa distância, menor será o angulo visual, e maior será o seu poder de aproximação.

APS - vide SISTEMA APS.

ASA: vide ISO

ARMAZENAMENTO DIGITAL - Para armazenar arquivos de imagens digitais a médio e longo prazo, recomenda-se uso de mídias ópticas, como CD-R.

ARQUIVO DIGITAL - Na fotografia convencional a imagem é preservada em filme ou papel, por meio de processo fotoquímico e embalagens de material neutro. Arquivo Digital é conjunto de Informações contendo planilhas, textos, imagens etc. Usualmente, armazenamos os arquivos em mídias-ópticas (CDR, CDRW, MO, etc) ou magnéticas (Disco Rígido, Zip DISK, disquetes, cartões de memória e outros).

AUTOMÁTICO PROGRAMADO -vide AE.

AUTOMÁTICO Prioridades - Alguns modelos tem programas para fotos especiais identificados por ilustrações. É só ajustar para o desenho correspondente que a máquina fará o resto sozinha. Consulte o manual da sua para maiores informações.

AUXILIAR de LAVAGEM - Vide Elimilinador de Hipo.

B - Bulb: ver Ajuste B

BAIXAS LUZES -Áreas de sombras ou de pouca luz. Oposto de "Altas Luzes"

BALANCEAMENTO DE CORES - A acuidade geral relativa à reprodução das cores quando comparadas á cena original. Os filmes são equilibrados pelos próprios fabricantes para o uso com fontes específicas de luz. Para luz solar use Filme Daylight ou para luz incandescente como estúdios de TV, shows, teatros ou concertos musicais use Filme Tungsten. Temos também programas de imagens com estes recursos.

BALANÇO DE BRANCO - Recurso de correção, por meio de colorímetro, disponível em câmaras digitais ou câmaras de vídeo, destinado a pré-ajustar o equipamento em relação à fonte de luz utilizada (Luz do Dia, Fluorescente ou Incandescente).

BANHOS de Viragem - Solução química para alterar a cor de ampliações em peto e branco. Há quatro tipos principais de banhos de viragem - Sépia (Marrom Escuro), Azul, Prata e Ouro. Para cada um exige-se um processamento diferenciado. Pode-se obter qualquer tipo de cor com o processo de viragem adequado.

BANHO interruptor - Solução ácida usada entre o revelador e o fixador para interromper a ação do revelador e preservar a eficácia do fixador. Trata-se de uma solução diluída de ácido acético ou ácido cítrico; usada tanto nos processo P&B como também nos processos coloridos manuais. A água comum é utilizada por vezes como banho interruptor, mas não produz o mesmo desempenho.

BASE - Suporte de uma emulsão fotográfica. Para filmes, é feita de triacetato de poliéster. Para cópias, de papel, o suporte pode ser de papel especial de fibra ou resinado.

BIT - Unidade básica da informação. No sistema binário ou digital, podemos representar apenas dois valores: 0 (zero e 1(Um).

BITMAP - Imagem "bitmapeada" é aquela na qual registramos as informações (cor e posicionamento) de cada pixel, utilizando uma matriz bidimensional (mapa X/Y). Anacrônico de Bitmap, ou Mapa de Bits é o formato nativo do Windows, armazena os dados sem compactar a imagem, e pode ser lido em quase todos os programas que rodam sob Windows. Muito utlizado nas primeiras câmaras digitais, sendo gradativamente substituído pelo Tiff e RAW.

BMP - Formato de gravação de arquivo, difundido pela Microsoft/Windows, no qual as informações são gravadas utilizando padrão "bitmap".

BRANQUEADOR - Solução química ácida que torna solúvel os cristais de prata metalizados tanto nos processos de Slide em Preto e Branco como também nos Negativos, Papéis e Slides em Cores.

BURST MODE OU CONTINUOUS MODE - Modo em que se faz várias fotos sucessivamente.

BYTE - Conjunto de 8 bits. Também conhecido como "palavra". 8 bits= 1 byte/1024 bytes = 1 KB/ 1024 kbytes = 1 MB/1024 megabytes = 1 GC/1024 Gigabytes = 1 Terabyte.

C41/CN-16 - Processo para revelação de negativos coloridos ou monocromáticos, constituído de: 1) Revelador, 2) Branqueador, 3) Fixador e 4) Estabilizador. Nas processadoras automáticas e micro-processadoras a temperatura padrão é de 38 C. Nos processos manuais pode-se adotar o método Alto Padrão, processando á 24 C.

CABEÇA de Rótula (Cabeça Panorâmica): Dispositivo especial no tripé ou adaptável a este, que permite a fixação em qualquer ângulo da câmara, por simples aperto de parafuso, ou acionado por meio de punho.

CABO de Sincronismo: Fio elétrico que conecta a unidade de "flash" á tomada no corpo da câmara (circuito de liberação do sincronismo do obturador).

CANAIS DE MINILAB - Toda a impressora de minilab possui programas para corrigir desvios de cor e contraste apresentado por cada marca ou tipo de negativo. Este sistema constitui desde do balanço de cores, slope under, slope over e slope ultra-over, para ajuste fino de contraste e densidade. Esses canais ainda apresentam a possibilidade de serem calibrados manualmente.

CAPTURA DIGITAL - É o ato de fotografar, onde o filme é substituído por discos ou pela própria memória do computador. A captura digital pode ser feita através de câmaras ou scanners, tanto para cópias e ampliações, como também possibilita o escaneamento direto de negativo ou diapositivos (slides) convencionais.

CAPTURAS & ENTRADAS Digitais - A câmara digital transfere a imagem capturada automaticamente para o computador ou a transmite pela Internet ou por telefonia. O scanner produz a entrada da imagem digitalizando a foto, papel ou filme, transformando-a em pixels.

CAPUCHÃO, ou Câmara Escura Portátil - Bolsa à prova de luz na qual o fotógrafo pode inserir as mãos a fim de manipular o filme quando não existe laboratório disponível.

CARRETEL (ou Espiral) - Cartucho de metal ou plástico com ranhuras espirais nas quais o rolo do filme é carregado para o processamento.

CARTÃO CINZA - Um cartão que reflete uma percentagem conhecida da luz que incide sobre ele. Em geral, tem um lado cinzento que reflete 18% da luz e um lado branco que reflete 90% da luz. Padrão utilizado para aferir leitura de todos os fotômetros e flashmeters.

CARTÃO DE ARMAZENAMENTO - Meio de armazenamento utilizado pelas Câmaras Digitais. Entre os vários modelos podemos citar: ATA PCMCIA, Smartmedia e Compact Flash, entre outros. As primeiras câmeras utilizavam disquetes, porém com o incremento de resolução nas câmaras, houve a necessidade de desenvolver novas mídias.

CARTÃO PCMCIA - "Personal Computer Memory Card International Association", cartão de memória de espessura e desenho semelhantes ao cartão de crédito. Usado em computadores portáteis e como acessório integrante de alguns sistemas de imagem digital.

CASSETE - (magazine ou bobina): Recipiente de metal ou plástico para filmes 35mm.

CCD - Charging Coupled Device -Sensor óptico empregado em scanners, câmaras de vídeo e digitais, que converte a luz incidente e seus pontos em sinais elétricos, desenhando eletronicamente a imagem, digitalizando-a. O CCD pode ser de área, com duas dimensões (X/Y) ou em forma de linha.

CINZA MÉDIO - Tom de cinza médio padrão com 18% de reflexão. Padrão de calibragem de todos os fotômetros.

CIRCULO de CONFUSÃO - Disco de luz ou círculos luminosos da imagem, produzido pela objetiva quando o objeto a ser fotografado não está perfeitamente focado. Também usado como padrão para medir índice de resolução das objetivas por meio de microscópios digitais adequados, já que o olho humano não consegue distinguir entre um círculo de difusão muito pequeno - com diâmetro inferior a 0,25 (mm) e um verdadeiro ponto.

CLONE (Cloninig) – Ferramenta digital presente na maioria dos programas de manipulação e tratamento de imagens com o propósito de produzir cópias fiéis de determinadas regiões. Trata-se de uma das principais ferramentas para retoque e restauração de imagens, sendo representada por um carimbo.

"CLOSE UP” - Imagem maior que a normal obtida pelo uso de uma objetiva mais próxima do objeto que o normal.

CMYK - Na imagem digital, refere-se ao espaço de cor no qual são utilizadas as cores subtrativas: cian, magenta e amarelo, aliadas ao preto. Padrão utilizado para imagens destinadas à impressão.

COMPACT DISK - Utilizado na imagem digital. Espécie de mídia óptica (CD), que permite gravação de dados. Basicamente se utiliza dois tipos de cds.

COMPRESSÃO de Arquivos Digitais - Processo no qual reduzimos o tamanho dos arquivos em bytes. Pode ser realizado com ou sem perda de informação. O método sem perda utiliza programas de compactação, que primeiro analisam os dados binários, e depois calculam seu percentual de compressão. O exemplo mais típico é o Winzip. O processo de compactação com perda utiliza sistema de algoritmos, que analisam a imagem. Estes algoritmos tendem a desprezar detalhes secundários da imagem, não perceptíveis ao olho humano, como é, por exemplo, o clássico formato JPEG. Também denominado por "Quality".

CD-R - Permite apenas uma gravação por meios digitais. O disco pode ser gravado até a totalidade de seu espaço, porém não há como apagar as informações.

CD-RW - Ao contrário do CD-R, essa nova mídia permite a regravação de informações.

CONDENSADOR - Sistema óptico que consiste em uma ou duas lentes plano convexas (plana de um lado e com curva exterior para o lado oposto, utilizados em ampliadores ou projetores de slides para concentrar a luz proveniente de uma fonte luminosa e dirigi-la para o negativo ou diapositivo).

CONTAMINAÇÃO - Resíduos de produtos químicos ou óxidos metálicos transportados durante o processamento, depositando-se em outros banhos, ocasionando perda da atividade química dos mesmos, manchas, riscos e outros tipos de problemas.

CONTRASTADO - Apresentar diferenças maiores que o normal entre as áreas claras e escuras. O oposto é suave.

CONTRASTE - Diferença entre as partes claras e escuras de uma cena ou fotografia.

CONTROLE DE ABERTURA - O anel da objetiva ou da câmara (um botão, em alguns modelos que, quando rotacionado, ajusta o tamanho da abertura da íris no diafragma e modifica a intensidade de luz que incide sobre o filme).

CONTROLE DE DRIVE - Seleciona a forma e a velocidade de transporte do filme, programa o número de fotos por segundo a ser registrado pela câmara.

CONTROLE DE TEMPERATURA - Trata-se de variável crítica, tanto no processamento manual, como em minilabs e micro-processadoras e com influência imediata na imagem final. Apesar das processadoras possuírem sistema de termostatos, recomenda-se sempre aferir sua respectiva temperatura com termômetro de precisão. Siga sempre as especificações recomendadas pelos fabricantes dos processos utilizados.

CONTROLE DE VELOCIDADE (do Obturador) - Controle que seleciona o período de tempo, a quantidade de luz que o filme é exposto.

CONVERGÊNCIA VERTICAL - Distorção das linhas verticais contidas na perspectiva da imagem, quando se fotógrafa de baixo para cima. Os assuntos mais altos, como imagens arquitetônicas, por exemplo, parecem a se inclinar para trás. Esse efeito pode ser corrigido por meio de báscula nas câmaras de grande formato.

CONVERSOR - (ou "Teleconverter") Lente auxiliar adaptável entre a objetiva original e o corpo da câmara, apresentando como resultado uma distância focal combinada maior do que a própria objetiva. A maioria dos conversores multiplica a distancia focal por um fator de dois a três vezes.

CONVERSOR Analógico Digital - Dispositivo eletrônico utilizado em câmaras digitais e scanners para quantificar cargas elétricas registradas pelo CCD.

CROPPING - Processo de corte de uma imagem digital.

CR -T - Tubos de Raios Catódicos. Trata-se do tubo utilizado nos monitores de vídeo.

CÓPIA - Imagem (geralmente positiva) em papel fotográfico, feita a partir de um negativo ou transparência.

CÓPIA POR CONTATO, Contato ou Copião - Processo de positivação do negativo em contato com o papel fotográfico. A imagem positiva final, geralmente em tamanho 24 x 30 cm ou similar registra em positivo as imagens do mesmo tamanho do negativo.

CORES PRIMÁRIAS ou Aditivas - São as cores utilizadas nas impressoras de minilabs para corrigir os eventuais desvios apresentados pelo negativo, ou seja, o azul, o verde e vermelho. A luz das cores referidas pode misturar-se em quantidades iguais para produzir a luz branca ou em qualquer outra proporção para formar qualquer outra cor.

COR SATURADA - Cor pura, sem qualquer mistura de cinza ou contaminação de outra cor.

CORPO - Caixa externa de aço ou plástico da própria câmara, sem a objetiva de alto impacto, à prova de luz que contém todos os mecanismos e circuitos e os protege da luz até que se esteja pronto para fazer a exposição.

CORTE - Aparar as margens de uma imagem, melhorando a sua composição, harmonia e estética. Esse processo pode ser feito através da movimentação da posição da câmara quando da visão da cena, do ajuste do ampliador durante a impressão, ou ainda, aparando a foto já pronta.

COMPOSIÇÃO - É o arranjo dos elementos de uma fotografia, o assunto principal, primeiro plano, fundo e motivos secundários visando harmonia e estética visual.

CROMÓGENO - Refere-se literalmente "formador de cor". São os corantes utilizados pelos fabricantes, para compor os pigmentos coloridos que se formam durante o processamento de todos os filmes e papéis coloridos.

DATA DE VALIDADE - Filmes e papéis fotográficos são compostos de gelatina orgânica e sais de prata. Dessa forma, como os medicamentos, alimentos e fotoquímicos apresentam data de validade impressa em sua respectiva embalagem. Materiais vencidos podem comprometer por completo a qualidade final de suas imagens.

DAGUERREÓTIPO - Processo fotográfico em desuso que consistia em uma chapa de cobre preparada com camada de prata polida, sensibilizada com iodeto de prata. A chapa depois de exposta era revelada em vapor de mercúrio, produzindo diretamente a imagem em positivo. O processo foi inventado por Louis Daguerre em Paris, 1839 e foi o primeiro êxito comercial no domínio do registro da imagem.

DEFINIÇÃO - É a clareza nos detalhes e contornos. Depende da dimensão do menor ponto da imagem que pode ser gravado no filme por meio da objetiva que se utiliza. O índice de definição vai depender da sensibilidade do filme, da qualidade óptica da objetiva, dos métodos de fotometria e processamento da imagem.

DENSIDADE - É o grau de enegrecimento do negativo (ou da cópia), que determina a quantidade de luz que pode atravessá-lo (ou refletir dele). Quantidade de massa de óxido de prata. Um negativo superexposto é mais denso que um normal ou sub-exposto.

DENSO - Refere-se a negativo ou área de um negativo ou cópia onde grande quantidade de prata foi depositada. Um negativo denso transmite relativamente pouca luz, e produz escala de cinzas reduzida. O oposto é claro ou suave.

DESGASTE DA LÂMPADA - Com o uso, tanto a lâmpada do ampliador, como da própria impressora de minilab sofre perda, tanto na intensidade de luz quanto na transmissão das cores. Devido a isso, temos que periodicamente aferir e corrigir tanto a calibragem de cores como a própria exposição.

[B]DIAFRÁGMA - Dispositivo ajustável de laminas metálicas que formam uma abertura aproximadamente circular com diâmetro variável, para controlar a intensidade da luz transmitida pela objetiva.

DIAFRÁGMA DE IRIS - Ver Diafragma.

DIFRAÇÃO - Fenômeno que se observa quando a luz passa junto à borda de um corpo opaco ou através de uma abertura estreita de diafragma. A luz sofre um pequeno desvio ou deflexão, originando feixes de interferência, que, por vezes, é possível observar a olho nu, como manchas luminosas indefinidas. Este efeito é eventualmente perceptível quando se fotografa com diafragmas muito fechados.

DIFUSÃO INTERNA DA LUZ - Luz refletida dentro do corpo da objetiva, entre seus elementos ópticos, que produz marcas irregulares no negativo ou diapositivo, degradando a qualidade da imagem. Este efeito é minimizado com o tratamento de fluoreto, ou "coated", tornando as objetivas de coloração magenta, azulada ou de outra coloração, conforme o tipo de matéria prima empregada.

DIFUSOR - Nas impressoras de minilabs, sua função é espalhar a luz da lâmpada de impressão homogeneamente em todo o negativo, para imprimir cópias uniformes. Caso esteja gasto, riscado com sua superfície afetada, provoca aumento significativo no tempo de exposição dos negativos, minimizando a vida útil da lâmpada ou provoca manchas nas cópias Deve ser limpo diariamente e trocado a cada ano.

DIN: Vide ISO.

DISTORÇÃO Grande-Angular -Alteração na perspectiva causada pelo uso de lente grande-angular (distância focal pequena) muito próxima ao objeto.Os objetos aparecem esticados ou mais distantes do que realmente são.

DISPARADOR DE CABO - Acessório utilizado para reduzir as vibrações da câmara, acoplada á um tripé, quando se fotografa em baixa velocidade. Consite em cabo fino, de vários comprimentos, fixados por uma extremidade ao botão disparador da câmara. O cabo insere-se em um tipo de borracha ou plástico flexível, ou de malha metálica, sendo acionando manualmente pelo fotógrafo.

DISPARADOR DO OBTURADOR - Mecanismo ou circuito eletrônico, geralmente um botão no topo da câmara, destinado a ativar o obturador para expor o filme. Nos modelos hi tech foram substituídos por controle remoto.

DISTÂNCIA FOCAL - Distância entre a objetiva e um ponto determinado, onde se forma a imagem focalizada de um assunto a grande distância, quando a objetiva está focalizada para o infinito. A distância focal de uma objetiva determina o tamanho final da imagem fotográfica. Em geral, quanto maior for a distancia focal da objetivam menor será seu respectivo ângulo de visão.

DISTÂNCIA HIPERFOCAL - A distância até o objeto mais próximo em foco, quando a objetiva é focalizada no infinito. Estabelecer o foco nessa distância, ao invés de no infinito, fará com que os planos mais distantes permaneçam em foco, além de estender a profundidade de campo a fim de incluir outros planos mais próximos da câmara.

D-MAX - Abreviatura da densidade máxima para qual é apta à latitude da emulsão fotográfica.

D.O.F - Efeito fotográfico quando a foco principal está em foco, em primeiro plano, sendo que o resto(segundo plano) está em desfoque.

DOMINANTE - Tonalidade geral colorida que se dá às fotografias em cores um aspecto distorcido e pouco natural. Origina-se normalmente de mal processamento, falta de uso de filtro adequado, emulsão estocada inadequadamente ou com seu respectivo prazo de validade vencido. Aplica-se também quando o White Balance não efetua a correção de cor adequada.

E 6 - Processo para revelação de slides coloridos. Embora o processo original desenvolvido pela Kodak seja composto de oito etapas químicas, já podemos encontrar no mercado processos europeus, como o da Tetenal Alemã, com apenas três etapas e com menor tempo de processamento. A temperatura padrão é 38 C. Usado para processamento manual, micro-processadoras e minilabs.

EIXO ÓPTICO - Linha imaginária que passa pelo centro óptico de um sistema de lentes ou objetiva.

EFEITO DE RECIPROCIDADE - Alteração no balanceamento de cores ou na densidade da imagem causada por exposição muito longa ou muito curta.

ELIMINADOR DE HIPO - Solução química, ligeiramente básica, utilizada entre a fixação e a lavagem final do filme ou papel de fibra. Diminui o tempo e lavagem através da conversão de resíduos do fixador em sais, que se dissolvem com maior facilidade em água corrente. Também denominado hipo neutralizador ou auxiliar de lavagem.

ESCALA TONAL - Descreve uma foto em Preto & Branco com uma grande escala de tons, desde o preto profundo até o branco brilhante, passando por muitas variedades de cinza.

EMULSÃO - O filme fotográfico consiste, normalmente, de uma base ou suporte mecânico, a base de triacetato de poliéster, no qual são depositados minúsculos cristais, denominados por halogenetos de prata, geralmente sais de brometo, cloreto, iodeto, ou de uma combinação destes.Estes sais de prata estão suspensos em uma emulsão, composta gelatina animal, ou em cada camada da mesma.Veja também filme fotográfico.

EMULSÃO DE TRÊS CAMADAS - Emulsão fotográfica composta, utilizada praticamente em todos os materiais sensíveis em cores e que compreende três camadas, cada qual sensível a uma das três cores primárias: Azul, Verde e Vermelho. Princípio RGB.

ENDURECEDOR - Produto químico utilizado para endurecer a gelatina da emulsão, com a finalidade de protegê-la contra danos físicos durante a sua manipulação.

ESPECTRO - Faixa multicolorida que se obtém quando se decompões a luz nos diferentes comprimentos de onda que a compõem, do mesmo modo que o prisma decompõe a luz branca nas cores do arco-íris. O termo aplica-se também à faixa completa da radiação eletromagnética, desde as de menor comprimento de onda às de maior, incluindo a luz visível.

ESTABILIZADOR - vide "agente umectante".

EXPOSIÇÃO - Tempo durante o qual a luz deve incidir sobre a emulsão fotográfica para formar sua respectiva imagem. A exposição é controlada pela velocidade do obturador e pela abertura do diafragma selecionada.

EXPOSIÇÃO AUTOMÁTICA - Modo de operação no qual a câmara ajusta automaticamente a abertura, a velocidade do obturador, ou ambos, para produzir exposição normal.

EXPOSIÇÃO MANUAL - Modo não-automático de operação da câmara no qual o fotógrafo estabelece tanto a abertura quanto a velocidade do obturador em função das condições de luz e do resultado pretendido.

EXPOSÍMETRO - Instrumento dotado de célula fotossensível empregado para medir a intensidade da luz que é refletida por um objeto. É usado para determinar a exposição correta para obter uma boa fotografia ou impressão adequada. Conhecido também como Fotômetro.

FATOR DE AMPLIAÇÃO - Fator que exprime o aumento do tamanho da imagem em relação ao do objeto fotografado. O conhecimento do fator de ampliação apresenta por vezes a determinação do tempo correto de exposição na fotografia à pequena distância, ou macrofotografia.

FATOR FILTRO - Já que os filtros absorvem luz, temos que compensar na exposição o seu respectivo fator. Este é um número que especifica quanto precisamos compensar na sua exposição. Dobrar a exposição é expor um ponto a mais no obturador ou diafragma. Um fator de 16 significa uma correção de 16 vezes mais exposição (2-4-8-16), ou quatro pontos a mais. Alguns fatores são importantes na avaliação da correção necessária a ser feita na exposição. Quando a máquina é monoreflex, o fotômetro lê a luz que passa pela objetiva e a corrige automaticamente. Um fotômetro manual leria esta correção com o filtro na frente do seu sensor.Entretanto, a qualidade espectral de luz que ilumina a cena pode variar, alterando o fator filtro.

"FLASH" AUTOMÁTICO - Tipo ou modo de "flash" eletrônico com sensor fotossensível que determina a distância do "flash" para exposição ideal através da medida do retorno da luz refletida pelo objeto.

FLASH MANUAL - Tipo ou modo de operação do "flash" no qual o fotógrafo controla a exposição ajustando a abertura da objetiva em função da distância em que a cena se encontra.

FLASH de Preenchimento - Também conhecido por "fill in flash". Opera com carga reduzida para preencher áreas de sombras, preservando o efeito da luz ambiente.

FLASH TTL ou Flash Dedicado - Neste modo ou função, o sensor eletrônico é automaticamente desligado. O fotômetro efetua a leitura da cena a ser fotografada e comanda o flash para emitir a intensidade de luz necessária para iluminar adequadamente a cena.

FILME CROMÓGENO - Filme no qual a imagem final é composta de corantes químicos, ao invés de prata, sendo processado no mesmo sistema de negativos coloridos.

FILMES, CUIDADOS COM - Os cuidados a serem tomados com os filmes são: A) Calor acima de 28 C.  Umidade em geral.C) Odor de tintas, gasolina, vernizes e gazes em geral. D) Ser operado após sua respectiva data de validade. E) Porta-luvas de qualquer veículo. F) Ficar por mais de uma semana dentro da câmara. G) Ser processado fora das especificações recomendadas pelo fabricante. H) Ser exposto a Raio X. I) Laboratórios sem Certificado de Padrão de Qualidade, aferidos pelos próprios fabricantes. Aplica-se também aos cartões de memória.

FILME FOTOGRÁFICO - Composto de emulsão química, a base de gelatina animal e cristais de prata sensível á luz. O filme é o suporte que registra a imagem para produzir a fotografia. É uma das grandes conquistas criadas pelo mundo moderno realizando o desejo milenar do homem - a capacidade de memorizar e eternizar uma visão, um momento de vida que passa... Introduzido há mais de 160 anos, revolucionando todo o conceito técnico artístico e cultural de nossa sociedade. Mas foram nas quatro últimas décadas que experimentou formidável processo de evolução, tornando-se também colorido e apresentando resultados mais adequados ao olho humano.

FILME INFRAVERMELHO - Filme sensível a comprimentos de onda ligeiramente maiores que os do espectro visível, além de alguns comprimentos de onda dentro do espectro visível. Há dois tipos de filmes: o primeiro capta toda a luz visível, incluindo o próprio infravermelho, o segundo capta apenas as radiações infravermelhas, usadas para pesquisas e finalidades científicas.

FILME PAN OU PANCROMÁTICO - Filme sensível a todas as cores que registra em preto e branco, imagens com aproximadamente a mesma de tonalidade sem relação ao olho humano.

FILME NEGATIVO - Filme fotográfico que produz imagem negativa após a exposição e seu respectivo processamento.

FILME PARA LUZ DE TUNGSTÊNIO - Filme colorido balanceado para produzir cores que parecem naturais quando expostas à luz de tungstênio, temperatura de Cor de 3200 K, como é o caso de lâmpadas Photoflod Branca, luz halógena, shows, casas noturnas e teatros. Caso esse tipo de filme seja usado à luz do dia, as imagens aparecerão azuladas.

FILME PARA LUZ NATURAL - Filme colorido equilibrado para produzir cor aparentemente natural quando exposto à luz do dia. As imagens tornam-se avermelhadas se esse tipo de filme é utilizado com luz de tungstênio.

FILME REVERSÍVEL, FILME DIAPOSITIVO - Filme reversível: Filme fotográfico que produz uma imagem positiva (uma transparência) após a exposição e respectivo processamento. Para filmes coloridos também se utiliza os termos "slide ou cromo".

FILTRO - Vidro, acrílico ou outro material transparente colorido, usado diante da objetiva, com finalidades especiais, como acentuar o azul do céu, realçar as cores ou definir melhor os intervalos tonais da imagem fotográfica.

FILTROS DE AMPLIAÇÃO - Conjunto de filtros utilizados no ampliador, quanto se emprega papel preto & Branco de contraste variável (de coloração que vão do Amarelo ao Magenta) ou para ampliações em cores. Neste caso, empregam-se os filtros de cor subtrativos, Amarelos, Cian e Magenta.

FILTRO DE CORREÇÃO - Filtro colorido colocado na objetiva para alterar o equilíbrio tonal da imagem preto e branco ou corrigir a predominância de cor emitida por determinada fonte de luz, natural ou artificial (Filtro de correção de cores). Veja também "Kelvin".

FILTRO DE DENSIDADE NEUTRA - (ND) Filtro cinzento utilizado para reduzir a intensidade da luz sem alterar sua qualidade cromática. Emprega-se no uso de flashes a curta distância ou para filmes de alta sensibilidade em cenas com muita luz (Praia ou Neve). Também utilizado para produzir pouca "Profundidade de Campo" em cenas normais. Uso obrigatório em câmeras tipo DSLR

FILTRO POLARIZADOR - Há dois tipos: Linear, para objetivas mecânica e circular. Filtro giratório, cujo efeito pode ser constatado diretamente no visor.Elimina reflexos de superfícies não metálicas, como vidro, plástico, água etc. Usado também para dias ensolarados para escurecer e saturar o azul do céu. Empregado também para absorver o excesso de azul da luz solar, dar mais vida á vegetação e proporcionar maior saturação e separação das cores e tons de cinza. Utiliza-se unicamente com filme tipo Daylight, ou filme P&B convencional. Não produz efeito com sol a pino ou reflexos perpendiculares ao eixo da objetiva. Uso obrigatório em câmeras tipo DSLR

FILTROS DE AR - Responsáveis pela purificação do ar que circula nas processadoras de minilab. Esse ar pode ter a função de resfriamento da lâmpada de impressão e fonte de energia, ou na secagem a quente das cópias. Devem ser limpos semanalmente e trocados semestralmente.

FILTROS QUÍMICOS - Filtram as impurezas dos químicos que circula nos tanques de processamento dos minilabs ou que são injetados pelo sistema de reforço. Devem ser limpos semanalmente e trocados mensalmente.

FILM RECORDER/FILM PRINTER - Equipamento que opera á base de tubo de raios catódicos, possibilitando saída de imagens digitais em filmes negativos ou slides para serem posteriormente processados em minilabs.

FILMES PROFISSIONAIS - Trata-se de uma linha de filmes específica, com emulsão controlada, mais crítica e adequada ás exigências profissionais. Para preservar suas qualidades originais, todo o filme profissional deve ser armazenado em geladeira, em temperatura abaixo de 13 C.

FIXADOR - Solução química ácida que torna solúvel os cristais de prata não metalizados pelo revelador. Utilizado em todos os processos, desde o Preto & Branco até o Colorido. O fixador em uso contínuo vai acumulando grandes quantidades de prata, que podem ser extraídas e recicladas, gerando renda adicional e evitando danos ao meio ambiente.

FOCALIZAÇÃO POR ZONAS: Pré-estabelecimento do foco para fotos de ação, de modo que toda a área na qual a ação possa se desfocar, apareça perfeitamente nítida. Este recurso pode ser obtido manualmente ou programado nas câmaras tipo High Tech - DEPH.

FOCO FIXO - Refere-se aos tipos de câmara em que não há possibilidade de ajuste da distância entre a objetiva e o assunto fotografado.

FOLE - Parte flexível das câmaras, geralmente de médio ou grande formato, que une a objetiva ao corpo da câmara e serve para afastar ou aproximar a objetiva do plano focal. Há também o fole de extensão, acessório indispensável para micro e macrofotografia.

FORMATOS DE FILMES - O formato mais consumido é o 135, também denominado de pequeno formato. Serve na maioria das câmaras em uso. Há também o formato profissional 120, utilizados em câmaras de médio formato ou em chapas, para câmaras de Grande Formato, ambas específicas para estúdio. . Os formatos APS, 110 e 126 já estão em desuso.

FOTOMETRIA - A fotometria consiste na medição rigorosa do fluxo de luz dos astros. Para tal, recorre-se a um aparelho que permita contar a quantidade de fotões que atingem uma determinada área durante um determinado tempo. Esse aparelho tanto pode ser um fotomultiplicador, como, mais recente, um CCD. Para que se obtenha o mesmo resultado no mesmo astro com equipamentos diferentes, há que calibrar e normalizar as medições. Para tal recorre-se a filtros fotométricos (UBVRI, por ex.) e a estrelas de calibração, como as da lista de Landolt ou as estrelas de M67. Comparando as medições obtidas nas estrelas de calibração, obtemos os factores de correcção para o equipamento utilizado. Se as estrelas de calibração estiverem afastadas do objecto em estudo, há que ter em consideração a extinção atmosférica. Tão importante como o rigor das medições, é o rigor do cálculo do erro dessas medições, tarefa nem sempre fácil.

FOTOGRAMA - Há várias definições: 1) Cada uma das imagens em um rolo de filme. 2) As bordas de uma imagem. 3) Fotografia sem câmara obtida por cópia contato de objetos colocados diretamente sobre o papel fotográfico.

FOTÔMETRO - Vide "exposímetro".

FOTÔMETRO CENTRAL - Fotômetro de ação central. Medidor de exposição que trabalha através da objetiva, e mede os valores de luz de toda a cena, dando, porém, maior ênfase à área central do visor.

FOTÔMETRO DE LEITURA INTEGRAL ou MATRIX - Dispositivo de medição de exposição com grande ângulo de visão. A exposição indicada é baseada na média de todos os valores de luz na cena a ser fotografada. Leitura mestre.

FOTÔMETRO DE LUZ INCIDENTE - Fotômetro manual externo que mede a quantidade de luz que incide sobre o objeto ou cena a ser fotografada, apresentando a relação de aberturas e diafragmas adequados. Ver também Fotômetro de luz refletida.

FOTÔMETRO DE LUZ REFLETIDA -Fotômetro (manual ou embutido na câmara) que lê a quantidade de luz refletida no objeto, apresentando a exposição adequada.Ver também Fotômetro de luz incidente.

FOTÔMETRO PONTUAL - Fotômetro de ação restrita cujo ângulo de visão é estreito, utilizado para medir a quantidade de luz de uma pequena parte da cena fotografada.

FOTOMETRO TTL - Fotômetro de leitura direta através da objetiva (Fotômetro TTL). Fotômetro embutido que faz as leituras de luz diretamente através da objetiva sobre o plano do filme.

GIF - (Graphics Interchange Format) é um formato de 8 bits (256 cores) muito popular na Internet em animações, mas não é indicado para fotos, pois a limitação de cores causa grande perda de qualidade, embora reduza bastante o tamanho dos arquivos, este formato criado pela Compuserve é bem aceito em JAVA e HTML.

GRANDE ANGULAR - São objetivas cuja distancia focal é menor que as objetivas normais - variando de 8 a 35 mm, ou seja, de Super Olho de Peixe a Angular Standard -, encontrando aplicação pratica em trabalho a curta distancia. Possuem grande angulo visual - de 220 a 62 graus. Tem pôr função principal acentuar bastante a perspectivas fazendo com que os primeiros planos fiquem relativamente maiores do que os planos posteriores. São muito úteis para a fotografia arquitetônica de interiores, onde o espaço útil para fotografar é muito reduzido. Sua luminosidade, de um modo geral é bem menor do que as objetivas normais e, sua profundidade de campo muito ampla, não permitindo a não ser em casos muitos especiais, o foco seletivo. Sua definição, no entanto, é muito maior em comparação com as outras objetivas, pois diminuem a escala de reprodução.

GRANULAÇÃO - Também denominado por "Grão" Tamanho dos cristais de prata da emulsão dos filmes fotográficos. A granulação, proporção das partículas de prata, aumenta quanto maior for a sensibilidade do filme (medida em ISO) e também em função da proporção de ampliação do negativo.

HALO - Fenômeno caracterizado por contorno com uma aura em volta da imagem revelada de uma fonte de luz intensa. Originado pelo reflexo interno da luz proveniente do suporte da emulsão.

HALOGENETO DE PRATA - Componente sensível à luz presente nas emulsões fotográficas, compreendendo o cloreto, o brometo e o iodeto de prata ainda que também possam utlizar-se outros halogenetos.

HIPO - Nome popular do antigo agente fixador, abreviatura de hipossulfito de sódio, ou tiossulfato de sódio (o ingrediente ativo da maioria dos fixadores). Atualmente substituído pelo Tiossulfato de Afonia, de ação mais rápida. Sua função: remover os cristais de prata não reduzidos pelo revelador.

IMAGEM LATENTE - Imagem formada pelas alterações dos grãos de halogenetos de prata na emulsão fotográfica após exposição à luz. A imagem não é visível até que o processamento químico ocorra.

IMAGEM DIGITAL - Ao contrário do processo fotoquímico tradicional, a imagem digital é obtida por meios fotoeletrônicos, que entra na memória do computador, aparece na tela do computador, pode ser tratada, corrigida e manipulada digitalmente e retorna na forma de cópia em papel, negativos ou cromos. A entrada é feita através de scanners, discos ópticos ou magnéticos ou conexões diretas de câmaras digitais ou sistemas on line. A saída é possível por meio de impressoras de jato de tinta, lasers, ou mesmo por processos fotográficos, disponíveis em laboratórios profissionais ou minilabs.

IMPRESSORA - Ampliador automático de minilab, que opera com papel em forma de bobina, dentro de um compartimento totalmente vedado à luz, com sistema inteiramente computadorizado. Produz ampliações de vários tamanhos em grande escala.

IMPRESSORA DIGITAL – Impressora fotoquímica conectada ao computador possibilitando saída da imagem digital em papel ou transparência, a partir da imagem digitalizada.

ISO - Sigla da "International Standards Organization" (Organização Internacional de Padrões), substituindo os antigos padrões ASA "American Standart Association" (Associação dos Padrões Norte-Americanos), DIN "Deutsch Industrie Norm" (norma da Industria Alemã) e JIS "Japan Industrial Standart" (Padrão da Indústria Japonesa). Esta nova nomenclatura estabelece o seguinte princípio: quanto maior o número em ISO, maior é a sensibilidade do filme. Exemplo: Filme de ISO 400 é quatro vezes mais sensível em relação ao filme de ISO 100, permitindo fotografar em condições de luz menos favoráveis. Veja também "valor ISO".

JEPG, JPG - O Joint Photographics Experts Group é um dos mais populares formatos adotados pela Internet, devido à boa taxa de compactação em 24 bits (16,7 milhões de cores), e permite escolher a taxa de compactação dos dados da imagem (quanto mais compactado menor a qualidade). Mantém arquivos pequenos com boa qualidade.

JIS: vide ISO.

KELVIN (K) - Unidade que exprime a temperatura de cor no Sistema Internacional de Unidades (SI). A escala Kelvin começa no zero absoluto (-273 C) e seus valores aumentam na mesma grandeza dos valores Celsius. Os valores Kevin são empregados na fotografia para indicar a temperatura de cor e sua respectiva dominância em função das diversas fontes de luz utilizadas.

LABORATÓRIO - Espaço interno, onde filmes e fotografias são processadas e impressas, suficientemente escura para que os materiais foto-sensíveis sejam manejados sem causar velatura ou exposição indesejada.

LATITUDE - Margem de erro possível de super ou sub-exposição sem alteração significativa da qualidade da imagem.

LCD - As câmaras digitais, em geral, possuem uma tela LCD (Liquid Crystal Display) ou plasma que permite ao usuário visualizar, rever e apagar imagens armazenadas na câmara. Os melhores LCDs são o de matriz ativa porque fornecem a imagem melhor definida.

LEADERS - Sistema integrante das processadoras de Minilabs.Guiam os filmes para dentro dos racks. Cada leader processa em média dois filmes por vez. Caso a superfície do leader esteja suja de químicos, poderá contaminar o revelador. Após o término de cada processamento, o leader deverá ser devidamente lavado e seco antes de ser novamente utilizado. Seu desgaste pelo uso podem causar atolamento dos filmes durante o processo, inutilizando-os. Devem ser chegados semanalmente e substituídos no primeiro sinal de desgaste para não comprometer a imagem do negativo ou slides processados.

LEITURA DX - Código constituído de pequenos quadrados prateados e pretos que automaticamente informa aos sensores do corpo da câmara High Tech, qual a sensibilidade, número de poses, tipo e latitude do filme a ser fotografado. Logo abaixo, temos o código de barras que informa a processadora qual a marca, tipo de filme e as correções padrões a serem efetuadas.

LENTE APOCROMÁTICA - vide "aberrações".

LENTE DE APROXIMAÇÃO - Ou lentes "Close Up".Lente positiva simples, em forma de filtro, colocada diante da objetiva para fotografar a distância menor do que a normalmente permitida pela objetiva em questão.

LENTE CONVERGENTE ou POSITIVA - Lente mais grossa no centro em relação ás suas bordas. Sua característica é obrigar os raios de luz paralelos em convergir num foco, produzindo uma imagem.

LENTE DIVERGENTE ou NEGATIVA - Qualquer lente que seja mais grossa em seu perímetro circular em relação ao centro. Obrigam os raios de luz a divergir, formando uma imagem no mesmo lado da objetiva e do objeto - imagem virtual.

LENTE ESFÉRICA - vide "aberrações".

LENTE DE FRESNEL - Lente cuja superfície consiste numa série de círculos ou "degraus" concêntricos, cada um dos quais com forma semelhante, como partes da superfície de uma lente convexa. O fresnel são empregados nos vidros de focalização nas câmaras monorelfex, nas câmaras de grande formato e nos projetores de iluminação pontual.

LUMINOSIDADE -Refere-se a maior abertura de diafragma

LUZ DISPONÍVEL OU EXISTENTE –Termo que designa luz relativamente fraca já existente no local onde a fotografia deverá ser tomada.

LUZ POLARIZADA - Luz cujas vibrações eletromagnéticas oscilam segundo um só plano. Em condições normais a luz não está polarizada, e suas vibrações eletromagnéticas oscilam em planos diferentes. A luz refletida por superfícies brilhantes não metálicas, que impede ver os pormenores e as cores, é freqüentemente polarizada e pode ser controlada ou ainda eliminada mediante o uso do filtro polarizador.

LUZ PRINCIPAL - Principal fonte de iluminação, produzindo sombras dominantes, seja frontal ou lateral.

LUZ DE SEGURANÇA - Luz utilizada no laboratório para fornecer iluminação geral sem velar o material sensível utilizado.

LUZ REBATIDA - Luz indireta produzida dirigindo-se o foco de luz para além do objeto e usando um teto ou outra superfície para refletir a luz sobre o assunto. Seu efeito é mais suave e menos brilhante que a luz direta.

MANCHAS DE SECAGEM - Manchas que ficam na emulsão, tanto do filme, como do papel processado, conseqüência de secagem desigual, ou resíduos de cloro e de outro minérios provenientes da água potável. São removidos logo após o processamento mediante o uso de solução umectante.

MANIPULAÇÃO DIGITAL DA IMAGEM - Técnica de modificar a imagem fotográfica original, através de programas especiais, produzindo novos resultados. A manipulação digital conquistou novos espaços na fotografia publicitária e editorial, simplificando seu processo e aumentando suas possibilidades criativas. No mercado varejista tem se tornado negócio com grande retorno como Centro de Serviços Especiais como retoques, restaurações, cópias e ampliações sem a necessidade de se ter o negativo, fusões de imagens e efeitos especiais, bem como remessa de imagens pela Internet.

MÁQUINA FOTOGRÁFICA - Vide "câmera".

MÉDIO FORMATO - Designação corrente das câmeras que utilizam filmes tamanho 120, produzindo negativos ou diapositivos em tamanhos 4.5 x 6 cm, 6 x 6 cm, 6 x 7 cm ou ainda 6 x 9 cm, apresentando como vantagem pouco índice de ampliação e maior definição de imagem.

MICRO OU MACROFOTOGRAFIA - Técnica utilizada para reproduzir documentos, mapas, insetos, e outros minúsculos objetos. Este termo também é empregado, com pouco rigor para a técnica de fotografar através de microscópios.

MINILAB - Sistema compacto de processadoras, ocupam espaço mínimo, sem necessidade de ambientes vedados á luz ou com sistema hidráulico específico. Automatizaram e simplificaram o conceito do processo colorido, elevando a qualidade final das imagens, reduzindo seus respectivos custos. Foram responsáveis pela nova popularização da fotografia, a partir do início dos anos 80. É composto de três módulos: Processadora de Filmes, Impressora e Processadora de Papel. Atualmente todo o sistema é computadorizado, para otimizar custos, controle de qualidade e rapidez dos serviços executados. Possibilita processamento de negativos, cópias ou slides coloridos.

MOVIMENTOS DE CÂMERA - Ajustes das posições relativas á objetiva e ao filme, com o que é possível controlar distorções geométricas da imagem. Recurso característico das câmeras de estúdio de grande formato, que apresentam ampla flexibilidade dos movimentos.

MULTIMAGEM - Projeção ou impressão de dois os mais negativos ou diapositivos sobrepostos em sanduíche para produzir imagem composta ou efeitos especiais. Também denominado por fusão de imagens, podendo ser obtido por programas como photoshop.

NEGATIVO - Filme já processado cuja imagem se apresenta com valores opostos. Os tons claros estão registrados como escuros e vice-versa.Nos negativos coloridos, cada cor da imagem original está representada pela sua complementar.Os negativos são usados para fazer cópias e ampliações.

NEGATIVO FRACO - Aquele que foi sub-exposto, pouco revelado ou ambos; o negativo fraco tem menor densidade, ou seja maior transparência em relação ao negativo de qualidade normal.

NÚMERO "f/" - Nomenclatura empregada quando nos referimos a abertura do diafragma.

NÚMERO GUIA (NG) - Escala para unidade de "flash" que pode ser utilizada para calcular a abertura correta para uma determinada velocidade de filme e distância entre "flash" e o objeto. Assim se faz o cálculo: NG = f/ (Abertura do Diafragma) X Distância

OBJETIVA - Sistema óptico da câmera capaz de captar e focalizar os raios luminosos de forma a produzir imagem nítida no plano do filme.

OBJETIVA MACRO - Objetiva capaz de fotografar na escala 1:1 (tamanho natural) ou em índices menores equivalentes. O termo também é utilizado para descrever qualquer objetiva adequada para fotografar objetos a pequenas distâncias. As objetivas macro ou micro conforme a designação de seu respectivo fabricante, também podem ser utilizadas em cenas normais.

OBJETIVA NORMAL - São aquelas que se aproximam do ângulo visual do olho humano. Possuem ótima luminosidade - em geral f/1.4, permitindo fotos mais dinâmicas em locais escuros - e controle satisfatório da profundidade de campo.

OBJETIVA ZOOM - Objetiva em que se pode variar a distância focal, aumentando ou diminuindo seu respectivo ângulo visual.

OBTURADOR - Sistema de cortina, lâminas ou outro tipo de cobertura móvel, para controlar o tempo de exposição da luz sobre o plano do filme. Os tipos mais correntes são: obturador central, obturador de plano focal ou de cortina acionados mecanica ou eletronicamente, conforme o modelo da câmera.

OBTURADOR CENTRAL - Um dos dois tipos principais de obturador. Situado nas proximidades do sistema de diafragma, compõe-se de várias lâminas metálicas que se abrem e fecham quando se aciona o disparador, expondo o filme.

OBTURADOR DE PLANO FOCAL OU CORTINA - Um dos dois tipos fundamentais de obturador utilizado nas Câmeras Monoreflex de pequeno ou médio formato. Situado um pouco adiante do plano focal, o obturador compõe-se de um sistema de cortina ou lâminas metálicas. Quando se pressiona o disparador, uma ranhura passa diante da zona da imagem, na horizontal ou na vertical.

OBTURADOR CENTRAL - É aquele que opera entre dois elementos internos da objetiva.

OPACO -Descreve o papel para impressão com superfície relativamente áspera e não-reflexiva.Papel tipo Mate .O oposto de Papel Brilhante.

OXIDAÇÃO - Perda de atividade química devido ao contato com o oxigênio do ar.

PANNING - Técnica utilizada para "congelar" assuntos em movimento em velocidade entre 1/15 a 1/60, deixando seu respectivo fundo, desfocado, "riscado", criando a ilusão de movimento. Vide "Panorâmica"

PANORÂMICA - Da língua inglesa, "panning". Técnica em que a câmera segue o motivo em movimento, em baixa velocidade para criar a ilusão visual de movimento. O emprego de velocidade baixas, como 1/30 ou 1/60 permite que o objeto em movimento fique registrado com nitidez, enquanto que seu respectivo fundo apareça "riscado" e em "escolado".

PARALAXE - Refere-se á diferença de ângulo entre o campo de visão da objetiva e do visor, muito comum nas câmeras populares. O ângulo percebido através do visor da câmera é diferente do ângulo "visto" pela objetiva.

PAPEL PARA LIMPEZA DE LENTES - Papel macio, lubrificado e isento de impureza, especialmente fabricado para a limpeza de lentes, filtros e objetivas fotográficas. Não é abrasivo. Não é o mesmo que flanela de óculos.

PAPEL DE CONTRASTE VARIÁVEL - Papel fotográfico para cópias e ampliações em Preto & Branco. Apresenta a vantagem de produzir gama completa de diferentes graus de contraste. Cada grau ou estágio tonal é ativado por um filtro de cor diferente no ampliador. Os papéis mais conhecidos são Ilford Multigrade e Kodak Polimax.

PAPEL FOTOGRÁFICO - Material sensível à luz, utilizado para positivar a imagem projetada pelo negativo. Semelhante ao filme, necessitando também de processamento químico. São disponíveis em folhas de vários tamanhos, ou em rolos de pequenas e grandes bitolas. Os papéis coloridos apresentam emulsão crítica e devem ser conservados sob refrigeração.

PARASOL - Acessório da objetiva, geralmente de borracha ou metal leve, cuja função é proteger a objetiva de luzes "parasitas" ou provenientes de zonas exteriores ao campo de visão, criando efeito de "halo", "ofuscamento", ou de neblina luminosa que deterioram a qualidade final da imagem.

PENTAPRISMA - Dispositivo ótico de cinco lados utilizado no visor das câmeras monoreflex para corrigir a imagem da tela de focalização de modo que aparece de cabeça para cima e na posição correta da esquerda para a direita.

PERMANÊNCIA DA IMAGEM FOTOGRÁFICA - A permanência da imagem é determinada inicialmente pela qualidade e eficácia de seu processamento, lavagens intermediárias entre um banho e outro para que o anterior não contamine a etapa seguinte e pela respectiva lavagem final. No processo Preto & Branco, temos os Auxiliares de Lavagens, e os Processos de Viragem, como Sépia ou Selênio, que formam novas ligas de prata, aumentando a permanência do material por alguns séculos. No entanto, devemos tomar cuidado com relação á umidade, poluição, colas ácidas, plásticos á base de PVC, gases e outros produtos que podem reagir com a prata ou seus corantes, comprometendo a durabilidade do material.

PERSPECTIVA - Ilusão da imagem bi-dimensional de um espaço tridimensional sugerida primeiramente por linhas convergentes e pela diminuição de tamanho dos objetos distantes do ponto de vista da câmera.

PIXEL - Unidade que designa o menor ponto de imagem. Usada como medida de resolução para telas de monitores, como do próprio tamanho final do arquivo de imagem.

PHOTOFLOOD - Lâmpada de tungstênio especial para utilização em estúdios fotográficos. A lâmpada tipo Brancaemite luz a 3400 K , enquanto que a tipo azul emite luz a 6.000K, de temperatura de cor.

PLANO FOCAL - Plano sobre o qual a imagem de determinada cena fica nítida; em termos práticos é o plano que se situa o filme fotográfico.

PLOTTER - Impressora digital que possibilita saídas em ampliações coloridas de grande formato. Conectada ao ampliador, substitui o trabalho fotoquimico de ampliadores manuais, impressoras e processadoras de papel, pela tecnologia digital.

PODER DE COBERTURA - É a maior área da imagem com total qualidade produzida por determinada objetiva. O poder de cobertura da objetiva é sempre maior do que a área do negativo para o qual foi concebida. Com exceção das objetivas para as câmeras profissionais de grande formato. Ver "movimentos da câmera" onde seu respectivo poder de cobertura é muito maior.

PODER DE RESOLUÇÃO - Propriedade de um sistema óptico (objetiva) para distinguir entre objetos muito próximos entre si, e sua respectiva escala tonal. 


Anúncios

Partilhar Post #2 ZeBroa

ZeBroa

  • Novo Membro
  • Registo: 17/02/2008
  • Posts: 5
  • Idade: 45
    • Local: Lisboa

Publicado 14 Maio 2008 - 11:20

De grande utilidade. Aprendi bastante.

Obrigado.




Partilhar Post #3 pmasantos

pmasantos

  • Membro
  • Registo: 03/04/2008
  • Posts: 36
  • Idade: 40
    • Local: Sintra

Publicado 14 Maio 2008 - 13:54

post muit util.

obrigado :th_up:


Partilhar Post #4 Weasel

Weasel

  • Moderador
  • Registo: 28/01/2006
  • Posts: 1

Publicado 15 Maio 2008 - 13:29

Passa a fixo!


Partilhar Post #5 Picacuca

Picacuca

  • Membro
  • Registo: 27/01/2008
  • Posts: 4056
  • Idade: 54
    • Local: Torres Vedras
    • Novo projeto: "Walking Camera Project". Já anda na estrada (e na auto-estrada virtual).

Publicado 15 Janeiro 2009 - 00:23

À semelhança do que já tive oportunidade de referir num outro tópico, este glosário apresenta erros ao nível da redacção do português, além de certas imprecisões e explicações superficiais.

E dou exemplos: logo no ponto 1, começa-se por falar em luz, passa-se para a lente, e no final não se conclui nada. :wacko:

No ponto 2, não é explicado porque esse fenómeno acontece... No entanto, isso está melhor explicado aqui: http://pt.wikipedia....rração_esférica

Ponto 3 (astigmatismo): igualmente se fosse copiado daqui, (http://pt.wikipedia....ki/Astigmatismo) seria mais compreensível... :P

Não estive a conferir todos os pontos um a um, mas um glosário que começa assim, não me parece de grande confiança... :P


Picacuca
http://abllau.blogspot.com/




Partilhar Post #6 Clunix

Clunix

  • Membro
  • Registo: 09/02/2009
  • Posts: 71
  • Idade: 42
    • Local: Corroios

Publicado 23 Setembro 2009 - 19:38

:clap:
Muito útil,um post com uma componente de aprendizagem para todos.

Clunix
:nikon:


Partilhar Post #7 Picacuca

Picacuca

  • Membro
  • Registo: 27/01/2008
  • Posts: 4056
  • Idade: 54
    • Local: Torres Vedras
    • Novo projeto: "Walking Camera Project". Já anda na estrada (e na auto-estrada virtual).

Publicado 23 Setembro 2009 - 21:11

Bom, já que há quem ainda considere este glosário muito útil, ao menos que fique a saber que:
ABERTURA - Toda objetiva possui um sistema similar á pupila do olho humano, em forma de íris. O tamanho é variável e ajustado pelo controle número f/, quanto maior o número f/, menor é a intensidade de luz [Leia-se: quanto maior o número f/, menor o orifício por onde passa a luz pela objectiva].


AGENTE ACELERADOR - Só reage corretamente em presença de um álcali ou base [ou seja: só reage com o que é alcalino ou alcalino. :D Porque, em química, o termo base é sinónimo do termo alcalino (ou alcali)]. São os aceleradores do processo de revelação, cuja função básica é de expandir a emulsão [expandir até onde? Até que saia pela porta fora? :D] para que o processo de oxido redução ocorra mais rapidamente [o que é isso do processo óxido redução? ferrugem que desaparece, tornando-se novamente em metal? :D]. Cada base selecionada, conforme seu grau de alcalinidade produz maior ou menor grau de atividade da solução reveladora. Os álcalis normalmente utilizados são: Tetraborato de Sódio ou BÓRAX, Metaborato de Sódio, ou KODALK, [KODALK? :blink: Bom, só se é um termo Brasileiro... :humm:] Carbonato de Sódio, e por fim, Hidróxido de Sódio (SODA CÁUSTICA).


AJUSTE B (BULB) - Ajuste na escala de velocidades do obturador para mantê-lo aberto durante o tempo necessário para fotografar cenas com poucas condições de luz, como ruas e avenidas de grande movimento durante á noite, por exemplo.
Esquecendo aqui os erros ortográficos (tal como estou a esquecer noutras partes destacadas deste glosário) resta-me, neste ponto, esclarecer que a velocidade Bulb, (representada peloa letra B) consiste numa posição onde o obturador ficará aberto todo o tempo em que o fotógrafo estiver a pressionar o botão disparador da máquina fotográfica. Esse tempo poderá assim variar entre um segundo (ou menos) e um número indeterminado de horas. Será que assim se entende melhor do que se trata? Penso que sim, uma vez que a explicação dada, tanto serve para o B, como para tempos de 1/30s ou menos, (por exemplo) uma vez que estes ajustes na escala de velocidades, também mantêm o obturador "aberto durante o tempo necessário para fotografar cenas com poucas condições de luz"

ALTERAÇÃO de Sensibilidade -Técnica que consiste em alterar, aumentando ou diminuindo a sensibilidade nominal do filme, de acordo com as condições de luz da cena, para acentuar o contraste, aumentar ou diminuir sua escala tonal. A mais comum é a técnica de filmes puxados, onde o filme é operado com sensibilidade acima da original, para compensar a falta de luz necessária, ou para congelar cenas noturnas, como esportes etc. Os filmes com sensibilidade alterada só podem ser processados em laboratórios profissionais ou processamento manual. Vide também "puxar".
Errado. A sensibilidade do rolo não á aumentada nem diminuída com este processo. O que acontece é a penas que, ou sub-expomos ou sobre-expomos o negativo, e depois compensamos isso com uma maior ou menor energia dada à revelação. Energia essa que se poderá aumentar ou diminuir com maiores ou menores concentrações de revelador nos tanques de revelação, maiores ou menores temperaturas, maior ou menor tempo de revelação dos negativos, ou maior ou menor agitação.

A partir daqui não conferi muito mais, até porque penso já ter demonstrado claramente as razões pelas quais considero este glosário totalmente impreciso. Insistir em aprender por aqui alguma coisa, é insistir em continuar a errar. Por isso, peço a quem aqui o colocou que o retire, ou aos responsáveis por este fórum, que o retirem desta posição fixa, uma vez que, na minha opinião, em nada este tópico prestigia este fórum. Os meus antecipados agradecimentos.


Picacuca
http://abllau.blogspot.com/


Partilhar Post #8 gehn

gehn

  • Membro
  • Registo: 29/10/2008
  • Posts: 561

Publicado 23 Novembro 2009 - 23:16

Bom, já que há quem ainda considere este glosário muito útil, ao menos que fique a saber que:
ABERTURA - Toda objetiva possui um sistema similar á pupila do olho humano, em forma de íris. O tamanho é variável e ajustado pelo controle número f/, quanto maior o número f/, menor é a intensidade de luz [Leia-se: quanto maior o número f/, menor o orifício por onde passa a luz pela objectiva].


AGENTE ACELERADOR - Só reage corretamente em presença de um álcali ou base [ou seja: só reage com o que é alcalino ou alcalino. :D Porque, em química, o termo base é sinónimo do termo alcalino (ou alcali)]. São os aceleradores do processo de revelação, cuja função básica é de expandir a emulsão [expandir até onde? Até que saia pela porta fora? :D] para que o processo de oxido redução ocorra mais rapidamente [o que é isso do processo óxido redução? ferrugem que desaparece, tornando-se novamente em metal? :D]. Cada base selecionada, conforme seu grau de alcalinidade produz maior ou menor grau de atividade da solução reveladora. Os álcalis normalmente utilizados são: Tetraborato de Sódio ou BÓRAX, Metaborato de Sódio, ou KODALK, [KODALK? :blink: Bom, só se é um termo Brasileiro... :humm:] Carbonato de Sódio, e por fim, Hidróxido de Sódio (SODA CÁUSTICA).


AJUSTE B (BULB) - Ajuste na escala de velocidades do obturador para mantê-lo aberto durante o tempo necessário para fotografar cenas com poucas condições de luz, como ruas e avenidas de grande movimento durante á noite, por exemplo.
Esquecendo aqui os erros ortográficos (tal como estou a esquecer noutras partes destacadas deste glosário) resta-me, neste ponto, esclarecer que a velocidade Bulb, (representada peloa letra B) consiste numa posição onde o obturador ficará aberto todo o tempo em que o fotógrafo estiver a pressionar o botão disparador da máquina fotográfica. Esse tempo poderá assim variar entre um segundo (ou menos) e um número indeterminado de horas. Será que assim se entende melhor do que se trata? Penso que sim, uma vez que a explicação dada, tanto serve para o B, como para tempos de 1/30s ou menos, (por exemplo) uma vez que estes ajustes na escala de velocidades, também mantêm o obturador "aberto durante o tempo necessário para fotografar cenas com poucas condições de luz"

ALTERAÇÃO de Sensibilidade -Técnica que consiste em alterar, aumentando ou diminuindo a sensibilidade nominal do filme, de acordo com as condições de luz da cena, para acentuar o contraste, aumentar ou diminuir sua escala tonal. A mais comum é a técnica de filmes puxados, onde o filme é operado com sensibilidade acima da original, para compensar a falta de luz necessária, ou para congelar cenas noturnas, como esportes etc. Os filmes com sensibilidade alterada só podem ser processados em laboratórios profissionais ou processamento manual. Vide também "puxar".
Errado. A sensibilidade do rolo não á aumentada nem diminuída com este processo. O que acontece é a penas que, ou sub-expomos ou sobre-expomos o negativo, e depois compensamos isso com uma maior ou menor energia dada à revelação. Energia essa que se poderá aumentar ou diminuir com maiores ou menores concentrações de revelador nos tanques de revelação, maiores ou menores temperaturas, maior ou menor tempo de revelação dos negativos, ou maior ou menor agitação.

A partir daqui não conferi muito mais, até porque penso já ter demonstrado claramente as razões pelas quais considero este glosário totalmente impreciso. Insistir em aprender por aqui alguma coisa, é insistir em continuar a errar. Por isso, peço a quem aqui o colocou que o retire, ou aos responsáveis por este fórum, que o retirem desta posição fixa, uma vez que, na minha opinião, em nada este tópico prestigia este fórum. Os meus antecipados agradecimentos.


Picacuca
http://abllau.blogspot.com/


E eu acrescento:

ALTAS LUZES - Compreende as áreas especifica de luzes mais intensas na cena a ser fotografada, na ampliação final, no diapositivo (slide) ou transparência. Termo também utilizado para as áreas muitos densas e escura do negativo, Preto & Branco ou colorido.

Ai...


Partilhar Post #9 lvasco

lvasco

  • Membro
  • Registo: 28/01/2008
  • Posts: 918

Publicado 24 Novembro 2009 - 00:08

Sinceramente, não compreendo o interesse deste tipo de posts. Se a informação está disponível noutro local, que necessidade (e mesmo legitimidade) há de a duplicar? Um breve comentário a acompanhar o link seria mais que suficiente. Então a decisão de o tornar fixo...


Partilhar Post #10 gehn

gehn

  • Membro
  • Registo: 29/10/2008
  • Posts: 561

Publicado 24 Novembro 2009 - 00:38

Bem observado. Não se repete...


Partilhar Post #11 lvasco

lvasco

  • Membro
  • Registo: 28/01/2008
  • Posts: 918

Publicado 24 Novembro 2009 - 00:42

gehn, o visado não eras tu...  ;)